ZAP aposta na produção de conteúdos como nova área de negócio

  • Lusa
  • 19 Junho 2019

A operadora angolana ZAP ambiciona tornar-se “proximamente” no maior operador de serviços de televisão da lusofonia. Conta atualmente com cerca de 1,5 milhões de clientes.

A operadora angolana ZAP assume uma “aposta estratégica” na produção de conteúdos e ambiciona tornar-se “proximamente” no maior operador de serviços de televisão da lusofonia.

“Inaugurámos recentemente a nossa produtora em Talatona [município nos arredores de Luanda] e até ao final do ano devemos ter cerca de 300 pessoas a trabalhar nesta área de negócio”, disse à Lusa o diretor-geral da ZAP, José Carlos Lourenço, salientando este fator de diferenciação da oferta face ao concorrente mais direto em Angola (a DSTv do grupo sul-africano Multichoice).

“A aposta estratégica é que isto seja também um negócio ‘per si’”, revelou o mesmo responsável, salientando que “há um esforço significativo” no sentido de expandir esta área, sem avançar valores de investimento.

José Carlos Lourenço sublinhou que os conteúdos são, “provavelmente, o negócio que tem maior facilidade de internacionalização”, apontando para “os mercados naturais” onde se fala português, não só onde existam comunidades de angolanos ou moçambicanos, mas portugueses em geral.

A operadora de televisão por satélite controlada pela empresária angolana Isabel dos Santos, filha do ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos, iniciou a sua atividade no mercado angolano em abril de 2010, entrou no mercado moçambicano em 2011 e está presente desde maio em Portugal.

Conta atualmente com cerca de 1,5 milhões de clientes, pelo que “a manter-se o ritmo de crescimento dos últimos anos” poderá posicionar a ZAP, em breve como o maior operador de distribuição de serviços de televisão da lusofonia”, com exceção do Brasil, admite o gestor.

“Se tivermos em conta Portugal, Angola, Moçambique e os outros mais pequenos poderemos vir a ultrapassar os líderes em Portugal, que são a Nos e o Meo, nos serviços de televisão”, acredita o diretor-geral da ZAP.

Quanto ao aumento de preços que levou a uma intervenção do regulador angolano das comunicações (INACOM) que aplicou uma multa à empresa Finistar (detentora da marca ZAP) por alterar os preços “de modo unilateral”, José Carlos Lourenço adianta que é “uma questão regularizada” e não beliscou a base de clientes.

“Foram alguns meses sensíveis, não é normal um operador de mercado ter de evoluir como fomos obrigados a evoluir naquele contexto”, admite, justificando que a última atualização de preços tinha acontecido em novembro de 2016 e os operadores estavam muito pressionados pela evolução da taxa de câmbio.

“Houve uma grande pressão em 2018, de todos os operadores, para sensibilizar o regulador para que o aumento pudesse concretizar-se. Entrámos em 2019 e a situação continuava a não estar resolvida”, pelo que, apesar de “a porta do diálogo ter estado sempre aberta”, a ZAP sentiu necessidade de tomar uma decisão, que implicou um aumento de preços de 40%.

“Eu diria que a circunstância de, no final do processo, o regulador ter vindo a autorizar que os operadores poderiam fazer um aumento acumulado de 38% deixou absolutamente claro que a atitude da ZAP não ia além da defesa da sustentabilidade do negócio e dos postos de trabalho. Foi percebido que o que a ZAP fez foi numa posição limite”, reforçou o gestor.

José Carlos Lourenço garante que “a perda de clientes foi absolutamente marginal” e neste momento o número de clientes é até superior ao que tinham antes.

Quanto à restituição dos valores cobrados a mais, imposta pelo INACOM, reconhece que “tem algum impacto” (uma vez que a intenção inicial de aumento de 40% ficou pelos 38%), “mas não compromete, no essencial, os objetivos da empresa”.

Além da televisão, a ZAP explora também um complexo de cinemas nos arredores de Luanda, com dez salas e está a avaliar potenciais parcerias” que possam suscitar a abertura de novas salas noutros locais.

José Carlos Lourenço realçou que “há planos de crescimento” para “todas as áreas de negócio” e espera fechar o ano de 2019 sem resultados negativos.

A ZAP realizou na segunda-feira um evento para assinalar a chegada do canal angolano ZAP VIVA a Portugal que contou com cerca de 250 convidados e um espetáculo com artistas angolanos e portugueses.

O ZAP VIVA está disponível no pacote base da operadora NOS (cujo principal acionista é a ZOPT, uma holding controlada pela Sonae e por Isabel dos Santos) desde 11 de maio.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

ZAP aposta na produção de conteúdos como nova área de negócio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião