Futuro lança novo PPR

  • ECO Seguros
  • 20 Junho 2019

A Futuro, especializada na gestão de fundos de pensões, vai lançar um novo PPR, denominado PPR Wealth, que já tem autorização da entidade reguladora.

A Futuro, sociedade gestora de fundos de pensões controlada pelo Montepio, viu autorizada pela ASF a constituir o Fundo de Poupança Reforma PPR Wealth.
A gestora comercializa atualmente três PPR de risco diferente. O ‘PPR Geração Activa’ de perfil considerado ‘arrojado’, o ‘PPR 5 Estrelas’, cujo perfil é classificado como ‘moderado’ e o ‘PPR Geração Activa’, de perfil ‘conservador’, destinado, cada um deles a faixas etárias diferentes.
A Futuro realça o benefício fiscal da subscrição de PPR, que atinge, no caso de o subscritor ter menos de 35 anos e ter feito o investimento de 2.000 euros, a expressão máxima de 400 euros. Os PPR suportam uma baixa tributação em IRS (8% dos rendimentos gerados), podendo assim ser utilizados como uma aplicação financeira alternativa. No entanto, o resgate antecipado traz perdas de benefícios fiscais e a subida da tributação até 21,5%.
A Futuro, que está no mercado desde o início de 1988, concentra a sua atividade na gestão de fundos de pensões. No ano seguinte ao da sua constituição a sociedade gestora lançou o ‘PPR 5 Estrelas’, o primeiro fundo de pensões individual a ser lançado no mercado nacional.
A sociedade tem uma significativa quota de mercado, tendo, no final do exercício de 2017, mais de 1,5 milhões de euros de ativos sob gestão, reunindo os fundos fechados 1,16 mil milhões de euros e os abertos 384 milhões de euros. Em 2017 a gestora obteve um resultado líquido de 1,1 milhões de euros.
O Montepio Seguros detém o controlo da sociedade (77% do capital), em cujo elenco acionista está também presente a Fundação Oriente (10%), a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (5%), a NAV Portugal (45) e a ANA, Aeroportos de Portugal (4%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Futuro lança novo PPR

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião