PPP no Hospital de Braga poupou ao Estado 300 a 400 milhões de euros

  • Lusa
  • 26 Junho 2019

O Hospital de Braga estará sob a gestão da José de Mello Saúde, ao abrigo de uma PPP, até 31 de agosto. Esta parceria terá poupado ao Estado entre 300 a 400 milhões de euros.

A parceria público-privada (PPP) para a gestão do Hospital de Braga significou, nos últimos dez anos, uma poupança para o Estado de entre 300 a 400 milhões de euros, foi divulgado esta quarta-feira pela administração cessante.

Os números foram tornados públicos durante a sessão comemorativa dos dez anos do Hospital de Braga, sob a gestão da José de Mello Saúde, ao abrigo de uma PPP que dura desde setembro de 2009 e que chegará ao fim em 31 de agosto.

Durante a vigência da PPP, e ainda de acordo com os dados revelados esta quarta-feira, as consultas no Hospital de Braga cresceram 75%, as cirurgias 101%, as urgências 100% e os exames e análises 313%.

“O Hospital de Braga é hoje um projeto vencedor, ao fim destes dez anos o sentido de dever cumprido não podia ser maior”, afirmou o presidente do Conselho de Administração da José de Mello Saúde.

Para Salvador de Mello, o Hospital de Braga assume-se hoje como “um dos melhores e mais eficientes” do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Sublinhou que, apesar deste “legado” e das “evidências da eficácia da gestão”, a PPP não foi renovada “por iniciativa do Estado”.

“É um capítulo que se encerra e que põe fim a esta história de sucesso”, disse ainda, vincando o “total empenho” da José de Mello Saúde para uma passagem de testemunho “totalmente tranquila”.

No mesmo registo, o presidente da comissão executiva do Hospital de Braga, João Ferreira, destacou que foi “mais do que duplicada” a acessibilidade aos cuidados de saúde especializados, com uma “poupança clara para o erário público”.

Disse ainda que o hospital nunca colocou “qualquer limitação” à prestação dos cuidados de saúde, mesmo com o “constante aumento da procura, muito acima do caderno de encargos da PPP”, contratualizado com o Estado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PPP no Hospital de Braga poupou ao Estado 300 a 400 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião