Projeto de infraestrutura verde nasce debaixo de postes de energia

  • Filipe S. Fernandes
  • 3 Julho 2019

Debaixo dos postes linhas de transporte de energia, Palmela-Évora e Estremoz-Divor, foram criadas verdadeiras “ilhas de biodiversidade”, no âmbito do projeto Life Lines.

“O Projeto Life Lines-Redes de Infraestruturas Lineares com Soluções Ecológicas, é um projeto português, pioneiro na Europa, que pretende implementar uma série de medidas minimizadoras dos impactes ecológicos das infraestruturas lineares (estradas, ferrovias, linhas elétricas) e contribuir para criação de uma Infraestrutura Verde de suporte ao incremento e conservação da biodiversidade”, refere António Mira, professor auxiliar no Departamento de Biologia na Universidade de Évora e coordenador do projeto Life Lines.

Acrescenta que António Mira ainda o grande potencial que os espaços marginais seminaturais frequentemente associados às diferentes infraestruturas como as bermas, as base dos apoios de linhas elétricas, etc., têm para funcionar como refúgios e corredores para várias espécies. A sua gestão integrada pode contribuir para uma maior biodiversidade a um nível alargado na paisagem.

O Life Lines é uma parceria entre a Universidade de Évora, que é a entidade coordenadora, e a empresa Infraestruturas de Portugal, as câmaras municipais de Évora e Montemor-o-Novo, a Marca, que é uma Associação de Desenvolvimento Local, a Universidades de Aveiro e a Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

Teve início em agosto de 2015, com um financiamento de três milhões de euros de fundos da União Europeia, num total superior a cinco milhões de euros.

Foi neste âmbito que surgiu a colaboração entre a REN – Redes Energéticas Nacionais e a Universidade de Évora para o estudo e conservação de comunidades de animais debaixo das linhas de transporte de energia.

As ilhas de diversidade

No âmbito do projeto Life Lines foram criadas verdadeiras “ilhas de biodiversidade”, debaixo dos postes linhas de transporte de energia, Palmela-Évora e Estremoz-Divor, tendo contado com a colaboração dos proprietários dos terrenos atravessados pelas infraestruturas.

O projeto começou pela plantação, sementeira e vedação com rede ovelheira de um conjunto sequencial de cinco apoios, localizados numa área aberta sujeita a pastoreio intensivo, que fazem ligação entre duas áreas de montado denso. Estes apoios servem como refúgio de biodiversidade e corredor de ligação (tipo stepping stones) entre as duas áreas de montado, como explicou António Mira.

Num dos apoios foi ainda realizada uma depressão no solo com vista à acumulação de água de forma a promover um pequeno charco temporário, disponibilizando assim um recurso importante para toda a fauna e um local de postura para algumas espécies de anfíbios, como por exemplo o sapo-corredor.

Depois fez-se uma avaliação da pertinência da realização de plantações e sementeiras com plantas autóctones. Para este objetivo foram selecionados cinco conjuntos de três apoios cada, totalizando quinze apoios, para intervenção/monitorização. Estes apoios localizam-se em áreas abertas sujeitas a pastoreio. Em cada um dos cinco conjuntos, um apoio foi semeado, plantado e vedado; outro foi apenas vedado, e o outro não sofreu qualquer intervenção.

Nestes locais está a ser monitorizada a evolução da vegetação e a ocorrência de várias espécies de microfauna, incluindo borboletas e pequenos mamíferos como ratos, musaranhos e toupeiras. Pela comparação da presença e abundância das espécies alvo em cada dos três tipos de apoio espera-se conseguir avaliar a sua importância como refúgio e a extensão das ações de gestão necessárias à promoção destes refúgios.

Este trabalho conjunto surgiu através da Cátedra REN em Biodiversidade com a Universidade do Porto, “que acompanhará a análise de dados que serão obtidos desta parceria com a Universidade de Évora”, salientou António Mira.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Projeto de infraestrutura verde nasce debaixo de postes de energia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião