Créditos garantidos pelo Estado ascendem a 1,3 mil milhões de euros

  • ECO Seguros
  • 4 Julho 2019

As responsabilidades do sistema de seguros de crédito que tem a garantia do Estado atingiram, no final de 2018, um valor duas vezes e meia superior ao registado há uma década.

As responsabilidades do Sistema de Seguro de Créditos com Garantia do Estado português (SCGE), gerido pela COSEC, ascendiam, no final de 2018, a cerca de 1,3 mil milhões de euros, um valor duas vezes e meia superior ao registado há uma década (486 milhões de euros). A revelação foi feita pela presidente da COSEC durante a conferência internacional sobre “Agência à Exportação”, organizada esta semana em Lisboa pela seguradora no âmbito do seu 50º aniversário.

Apesar deste aumento de atividade, sublinhou a responsável, “o SCGE continuou a apresentar um saldo positivo para o Estado em todos estes anos, considerando os prémios e as recuperações de sinistros recebidos pelo Estado, deduzindo os custos de gestão do sistema e a sinistralidade ocorrida.”

A responsável afirmou ainda que as exportações para os países de língua oficial portuguesa são as que têm maior procura, envolvendo um número mais significativo de PME.

A Convenção Portugal-Angola – assinada em 2004 e com um reforço para 1,5 mil milhões de euros em 2018 –, tem, explicou, “permitido às empresas portuguesas realizar importantes investimentos públicos em Angola, sobretudo na área da construção e obras públicas.

“Até agora já foram realizados investimentos de cerca de 1,3 mil milhões de euros, dos quais 500 milhões de euros já foram totalmente reembolsados. Encontram-se atualmente na fase de enquadramento na linha da Convenção projetos que se estimam em 300 milhões de euros, e que não esgotam ainda a totalidade do plafond disponível da linha”, acrescentou.

Recentemente, recordou Maria Celeste Hagatong, foram anunciadas pelo Governo mais duas linhas de seguro de Créditos com garantia do Estado. Uma, de 100 milhões de euros, destinada a seguros de créditos de médio prazo para os setores da metalurgia, metalomecânica e indústria de moldes e outra, também de 100 milhões de euros, dedicada a seguros de caução, para garantir condições de acesso a obras no estrangeiro às empresas do setor de construção civil e obras públicas.

A COSEC é uma empresa de capitais privados repartidos equitativamente pelo Banco BPI e pela Euler Hermes, líder mundial em seguro de créditos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Créditos garantidos pelo Estado ascendem a 1,3 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião