Liberty passa comando do negócio português para Madrid

  • ECO Seguros
  • 5 Julho 2019

Gigante americano LMIG junta em Madrid os negócios de Portugal, Espanha e Irlanda. Rogério Bicho mantém a gestão em Lisboa e será responsável pela distribuição tradicional nos três mercados.

A Liberty Seguros vai concretizar a passagem do comando da operação portuguesa para Madrid integrando-a com as empresas espanhola e irlandesa do Grupo. Esta transformação que ocorre agora já tinha sido prevista, tendo a companhia reestruturado a organização nacional ao longo do ano passado.

Com a consolidação das atividades de seguros das suas operações em Portugal, Espanha e Irlanda numa entidade única regulada em Espanha, a Liberty Seguros, vai gerar uma entidade com 2,5 milhões de clientes, 2 mil colaboradores, mais de 5 mil intermediários e agentes e 1,25 mil milhões de euros em valor bruto de prémios.

Em Portugal, Rogério Bicho assume o cargo de Branch Manager e será Diretor de Distribuição Tradicional para os três mercados. Tom McIlduff é o CEO da nova entidade legal.

Rogério Bicho continuará a gerir em Lisboa, mas terá funções em Espanha e Irlanda

A nova companhia integradora de três países torna-se, assim, a maior operação da Liberty Mutual Insurance Group Liberty Mutual Insurance Group (LMIG) em termos de volume de negócios fora dos Estados Unidos. A empresa norte americana, com sede em Boston, conta com mais de 50 mil colaboradores num total de 800 escritórios em 30 países. Com receitas de 39.4 mil milhões de dólares em 2017 é o terceiro maior segurador Não Vida nos EUA e a 68ª maior empresa dos Estados Unidos pela Fortune, com base nos resultados de 2017.

Em Portugal, a Liberty Seguros está presente desde 2003, após a aquisição da Europeia ao grupo Suíço Credit Suisse. A empresa atua nos segmentos particulares e empresas, dos ramos Vida e não Vida, e conta atualmente com 533 colaboradores, distribuídos entre a sede, em Lisboa, o Polo Técnico no Porto, os 36 espaços existentes em todo o território nacional e ilhas. Conta com mais de 1550 agentes profissionais de seguros que funcionam como Parceiros de Negócio sendo este o seu canal preferencial de distribuição, situação para a qual não é referida qualquer alteração.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Liberty passa comando do negócio português para Madrid

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião