(Re) imaginar o espaço público e (RE) aproveitar resíduos da produção nacional

Veja o vídeo e conheça os projetos vencedores do prémio INOVDESIGN da Fundação de Serralves.

Chama-se UVA, nasceu dentro da empresa Matter e conquistou o júri do concurso INOVDESIGN 2018 da Fundação de Serralves. “Num mundo mais digital temos necessidades de texturas, da ligação à natureza. O tema da sustentabilidade porque só temos um planeta, a sensorialidade dos materiais porque são resíduos de produtos que nos dizem muito; acho que foi isso que conquistou o júri” explicou já com o prémio na mão a designer Ana Lima.

O projeto valoriza resíduos ou subprodutos de agroindústrias expressivas na economia nacional, transformando-os em produtos premium comercializáveis, com aplicação na arquitetura, interiores e design. Linhas de produtos feitas com engaço – um dos resíduos da produção de vinho transformado em painéis embalagens de vinho e mobiliário. Curiosamente, “um dos primeiros clientes foi a Chanel que escolheu o material feito com engaço para apresentar os seus vinhos recentemente”, contou Ana Lima durante a apresentação.

De resto, a criação de design a partir da reutilização e da racionalização de matérias foi uma das tendências claras entre os 15 projetos a concurso.

Já o vencedor INOVDESIGN 2019 foi o projeto Roma Collection, das designers de produtos Rosana Sousa e Sofia Vieira, em que questionam o conceito das cidades atuais e os estilos de vida. Inspiradas em Roma Antiga, desenvolveram uma linha de mobiliário urbano, de cinco “artefactos urbanos” desde bancos, a papeleiras ou bebedouros. “Uma das grandes inspirações é Roma antiga não só pelo estilo de vida mas também pelas características estéticas. O passo seguinte é a comercialização. Já temos o molde e é um único molde de metal de onde se retira toda a coleção em betão” explicaram as vencedoras.

Em entrevista Miguel Rangel, Diretor de Comunicação da Fundação de Serralves, explica que o projeto INOVDESIGN tem como objetivo a sensibilização e a capacitação das pequenas e médias empresas da região norte do país para a adoção de modelos inovadores de desenvolvimento e design de produtos. Um projeto alinhado com a missão de Serralves, de “colocar na ordem do dia temas sensíveis à sociedade e cultura contemporâneas e tornar a economia mais sustentável, produtiva e também mais diferenciadora. Isso é importante para o nosso país” acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

(Re) imaginar o espaço público e (RE) aproveitar resíduos da produção nacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião