Construção da nova fábrica da Cofaco no Pico avança até final do ano

  • Lusa
  • 8 Julho 2019

O início da primeira fase de construção da nova unidade está previsto ocorrer até ao final do ano, foi hoje anunciado, após reunião do Governo açoriano com a administração da Cofaco.

A construção da nova fábrica da conserveira Cofaco na ilha do Pico vai arrancar, com o início da primeira fase previsto até ao final do ano, foi hoje anunciado, após reunião do Governo açoriano com a administração da empresa.

“Os assuntos que estavam pendentes relativamente ao projeto apresentado pela empresa PDM para a construção de uma nova fábrica da Cofaco aqui na ilha do Pico estão resolvidos”, afirmou o presidente do Governo Regional dos Açores, à saída da reunião com a administração da PDM, Transformação e Comércio de Pescado.

Com a aprovação da candidatura da empresa ao programa de fundos comunitários Mar2020, estima-se que até ao final do ano se “possam iniciar os trabalhos de limpeza das atuais instalações para a partir daí avançar para a construção da nova fábrica”, adiantou Vasco Cordeiro.

O investimento de sete milhões de euros avança agora, depois de a empresa PDM ter concluído com sucesso a candidatura ao financiamento comunitário, com um aumento do capital social no valor de cerca de dois milhões de euros, que supera o valor exigido de cerca um milhão de euros, 15% do investimento total.

Nuno Neves, gerente da PDM, explicou que agora segue-se o período de limpeza e demolições, que tem que cumprir regras estritas, adiantando que a demolição não irá avançar durante a época alta do turismo, já que as instalações da fábrica se encontram numa zona nobre da cidade da Madalena, e que existem no edifício “substâncias que têm tratamento muito especial, como os telhados de amianto”.

“Toda essa parte logística requer algum cuidado e regras muito, muito rígidas”, explicou.

O administrador não avança com uma data para a conclusão da obra, apontando como limite legal 2022, tendo assumido, no entanto, a intenção de que a empreitada termine antes da data limite.

“Vamos fazer as coisas como deve ser, vamos fazer as coisas com cabeça, cumprindo tudo aquilo que temos no projeto”, afirmou.

Em maio de 2018, a conserveira Cofaco, dona do atum Bom Petisco, encerrou a fábrica da ilha do Pico, despedindo 162 trabalhadores, com o compromisso de abrir uma nova unidade fabril até janeiro de 2020, com capacidade inicial para 100 trabalhadores e a possibilidade de aumentar o efetivo até 250.

Em fevereiro, o secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia disse que a aprovação do projeto da nova fábrica estava dependente de um aumento do capital social da empresa PDM, Transformação e Comércio de Pescado, no valor de um milhão de euros, “por forma a cumprir a regulamentação dos apoios do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas”.

A reunião aconteceu hoje, na Madalena, no primeiro de três dias de visita do executivo regional à ilha do Pico.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Construção da nova fábrica da Cofaco no Pico avança até final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião