Crédito da casa atinge valor mais elevado desde o travão do Banco de Portugal. Foram 927 milhões em maio

Os bancos concederam 927 milhões de euros em empréstimos para a compra de casa, em maio. Seria necessário recuar até junho de 2018 para ver um valor mais elevado.

A concessão de crédito para a compra de casa continua a bater máximos apesar do travão do Portugal. No total foram 927 milhões de euros em financiamento com esse fim nesse mês, o valor mais elevado desde junho de 2018, um mês antes da entrada em vigor do travão ao crédito por parte da entidade liderada por Carlos Costa.

De acordo com dados divulgados pelo Banco de Portugal, nesta terça-feira os bancos concederam 927 milhões de euros em empréstimos para a aquisição de casa, em maio, um disparo de 123 milhões de euros face aos 804 milhões que tinham sido concedidos em abril.

Essa subida acontece após um período marcado por uma redução gradual dos montantes do financiamento para a compra de casa. Há quatro meses seguidos que se observava a redução desses montantes, uma tendência que começava a ser interpretada como a incorporação da medida macroprudencial do Banco de Portugal que recomendou aos bancos que tivessem em conta três tipos de limites na hora de dar crédito com vista a prevenir situações de sobreendividamento.

Crédito da casa acelera em maio

Fonte: Banco de Portugal

O valor observado em maio não só inverte esse sentido, como é o mais elevado desde a entrada em vigor da recomendação, a 1 de julho do ano passado. Fica próximo dos 990 milhões registados em junho de 2018, o mês anterior à implementação da medida. Em termos homólogos seria ainda necessário recuar até maio de 2008 para assistir a um valor mais elevado.

Contudo, o acréscimo dos níveis de concessão também chegou às restantes finalidades de crédito às famílias. Em crédito ao consumo, também alvo da medida macroprudencial do Banco de Portugal, foram concedidos 435 milhões de euros em maio, um aumento de 72 milhões de euros face aos 363 milhões disponibilizados no mês anterior, e o valor mais elevado desde junho de 2006.

Já os empréstimos com outros fins ascenderam a 178 milhões de euros, em maio. Ou seja, mais 19 milhões quando comparados com os 159 milhões de euros concedidos em abril.

Conjuntamente, em maio, os bancos concederam 1.105 milhões de euros em crédito às famílias, sendo que no acumulado do ano, o valor total já ascende a 4.907 milhões de euros.

(Notícia atualizada às 11h45 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crédito da casa atinge valor mais elevado desde o travão do Banco de Portugal. Foram 927 milhões em maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião