Pedro Sánchez falha acordo para governar. Espanha arrisca novas eleições

O partido de Pedro Sánchez quer um Governo de uma só cor, mas enfrenta a oposição do Podemos, que quer ter um lugar entre os ministros.

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, ainda não conseguiu garantir apoio para governar sozinho. Depois de mais uma reunião entre Sánchez e Pablo Iglesias, líder do Unidas Podemos, que se provou inconclusiva, a convocação de eleições legislativas antecipadas é cada vez mais um cenário possível.

O PSOE venceu as eleições mas não obteve a maioria, o que significa que tem de acordar com os outros partidos uma solução que permita a governação. Já no rescaldo das votações o partido liderado por Sánchez sinalizava que queria governar sozinho. Mas o Podemos ainda não aceitou esta solução, exigindo um lugar no Conselho de Ministros, adianta o El País (acesso livre, conteúdo em espanhol).

“O que Espanha precisa é de um Governo de coligação de esquerda e esperamos convencer o PSOE a tornar sua posição mais flexível e aberta a uma posição integral de Governo”, expressou Iglésias à saída da reunião. “A abordagem de que o Governo tem que ser de um único partido vai em direção contrária ao que os cidadãos votaram“, reiterou.

Já o PSOE, no fim da reunião que disse não ter sido bem-sucedida, acusou Iglésias de estar “mais preocupado com os nomes do Conselho de Ministros do que com as políticas a serem desenvolvidas”.

A investidura de Sánchez, marcada para 22 e 23 deste mês, ainda não está assim garantida e tudo aponta para que seja rejeitada, abrindo a porta a eleições legislativas antecipadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Sánchez falha acordo para governar. Espanha arrisca novas eleições

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião