Fisco espanhol aperta cerco aos contribuintes que se mudam para Portugal atraídos pelos benefícios fiscais

O Fisco espanhol está a apertar o cerco aos trabalhadores espanhóis que rumam a Portugal aliciados pelos benefícios fiscais oferecidos pelo Governo português.

São muitos os profissionais espanhóis que rumam a Portugal aliciados pelos benefícios fiscais oferecidos pelo Governo português, mas esse fluxo criou um alerta no Ministério das Finanças espanhol, diz o Expansión (conteúdo em espanhol). Agora, todos estas entradas em território nacional estão a ser passadas a pente fino pelo Fisco espanhol, que tenta perceber se esta mudança de morada não é apenas uma maneira de fugir ao pagamento de impostos.

Já lá vão dez anos desde que entrou em vigor um regime fiscal que atribui aos residentes não habituais em Portugal — profissionais qualificados e pensionistas — vários benefícios fiscais, que acabam por atrair muitos espanhóis a Portugal: uma taxa de 20% sobre os rendimentos obtidos em território nacionais e não têm de pagar impostos sobre as reformas recebidas do estrangeiro.

Para os espanhóis estes benefícios representam poupanças de cerca de 18 pontos no IRS (Impuesto sobre la renta de las personas físicas (IRPF), em espanhol) e, em alguns casos, de 100%.

Contudo, o número de espanhóis a mudarem-se para território nacional à procura destes benefícios criou um alerta no Fisco espanhol, que está a analisar minuciosamente cada caso, para tentar perceber se estas mudanças são apenas formas de escapar aos impostos espanhóis. Neste sentido, o Fisco exige que seja tributado a estas pessoas o IRPF (IRS, em português) e o Imposto sobre o Património.

Se o montante a pagar pelos contribuintes for superior a 120 mil euros, é considerado um crime contra o Fisco espanhol. Este é um procedimento que o Fisco classifica de “simulação de residência fiscal fora do território espanhol”, e que está estabelecido no Plano de Controlo 2019.

Nestas situações de alteração de residência, Espanha considera que há uma mudança fictícia quando a pessoa não reside, pelo menos, 183 dias por ano em outro país, ou quando o centro de interesses económicos — apenas tido em conta se o contribuinte tiver uma casa nos dois países —e o agregado familiar estejam em Espanha.

Até ao momento, os contribuintes que se mudavam tinham apenas de apresentar um certificado do domicílio fiscal emitidos pelo Fisco português mas, agora, esse documento é insuficiente para as autoridades espanholas. O novo controlo vai ser feito através de testemunhos de vizinhos, dos serviços usados e até das redes sociais.

O regime fiscal português aplicável aos residentes não habituais está a levantar poeira em vários países da Europa. Contudo, Portugal não é o único a atribuir benefícios neste sentido. Itália, Croácia e Reino Unido também são exemplos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco espanhol aperta cerco aos contribuintes que se mudam para Portugal atraídos pelos benefícios fiscais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião