Fundo britânico paga 30 milhões por 48% da Caravela

  • ECO Seguros
  • 10 Julho 2019

Gestora de fundos compra ações e aumenta capital para financiar a expansão da seguradora, mantendo a gestão e a maioria em mãos portuguesas.

O Toscafund Asset Management LLP, empresa de gestão de investimentos sedeada em Londres, com mais de 3,5 mil milhões de dólares de ativos sob gestão, irá integrar o futuro quadro acionista da Caravela – Companhia de Seguros através de uma operação de aumento de capital e aquisições a atuais acionistas, atingindo uma participação de 48% do capital. O site Private Equity News indica que o negócio terá sido avaliado em 30 milhões de euros.

Esta transação, ainda sujeita à aprovação da entidade reguladora do setor – Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), marca o início de uma nova fase de investimento da Caravela, “dotando-a de mais meios que suportem e potenciem o trajeto de crescimento obtido nos últimos 5 anos”.

Luis Cervantes, Presidente e fundador da Caravela afirma que “durante os últimos 5 anos, com o apoio dos nossos investidores, colaboradores, agentes e clientes, construímos a principal companhia independente de seguros de propriedade portuguesa”acrescentando estar “muito satisfeito por receber na Caravela, um investidor forte e internacionalmente reconhecido, como o Toscafund, e esperamos trabalhar com eles para expandir a nossa presença no mercado local e continuar a construir, durante os próximos anos, um futuro positivo para a Caravela”, conclui.

Fabrizio Cesario, Partner no Toscafund, comentou : “Estamos muito entusiasmados em concretizar esta parceria com a Caravela, e os seus atuais acionistas, e em apoiar a atual equipa de gestão através do nosso capital e experiência em serviços financeiros”, continuando disse que “este investimento enquadra-se na nossa estratégia de apoio a empresas em crescimento que beneficiem da disrupção de mercado, conduzida pela tecnologia e inovação, aproveitando a experiência substancial do Toscafund no apoio para empreendedores bem-sucedidos ampliarem os seus negócios.”

George Koulouris, Partner no Toscafund. 2 afirma, por seu lado, que “a Caravela é um negócio fascinante, rentável e com um potencial de crescimento muito grande”, acrescentando que “tendo recuperado de uma crise económica, o mercado português oferece vantagens substanciais” daí estar confiante de que “a Caravela, por ter investido fortemente em tecnologia desde a sua formação, apresenta uma proposta única de modelo de negócio, Sendo flexível e ágil, é a plataforma certa para entrar no mercado português”, conclui Koulouris.

Aliar o capital à gestão

O tomador de 48% do futuro capital da Caravela designa-se Toscafund Asset Management LLP e foi fundado em 2000 pelo investidor Martin Hughes. Tem um longo histórico de apoio e disponibilização de capital de crescimento como os realizados no Aldermore Bank, Hoist, Atom Bank, OakNorth, Esure, Plurimi Wealth e no LIQID.

A Caravela é uma empresa independente de seguros Não Vida com sede em Lisboa e que opera em Portugal. A empresa foi criada em 2014 sob o nome e marca Caravela, após a aquisição das operações da Macif em Portugal. A Caravela concentra-se em Clientes Retalho e PME’s, oferecendo uma ampla variedade de soluções de seguros para cobrir seus riscos, tendo atingido um volume de prémios de 59,5 milhões de euros em 2018.

Com uma rede de distribuição de âmbito nacional, a Caravela investiu fortemente em tecnologia e recursos digitais, no sentido de facilitar o relacionamento com agentes, parceiros e clientes, fornecendo ferramentas de auto serviço para facilitar a gestão de carteira de seguros.

A Caravela é suportada por uma equipa de gestão com muita experiência no mercado de seguros em Portugal e apoiada por um grupo de acionistas nacionais que mantêm o controlo da companhia.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundo britânico paga 30 milhões por 48% da Caravela

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião