Após dois anos à espera do Governo, empresa desiste das obras de ampliação do Hospital de Viseu

  • ECO
  • 11 Julho 2019

O conselho de administração do Centro Hospitalar Tondela Viseu confirmou à TSF a desistência da obra que era considerada urgente há cinco anos.

A empresa que ganhou a que foi adjudicada a obra de ampliação do Hospital de Viseu esperou tanto tempo para que o Governo autorizasse o início dos trabalhos que acabou por desistir, segundo noticia a TSF (acesso livre). Foram dois anos entre a adjudicação e a autorização para as obras começarem depois de o Ministério da Saúde ter falhado o prazo para o arranque da ampliação da urgência.

O conselho de administração do Centro Hospitalar Tondela Viseu confirmou à TSF a desistência da obra que era considerada urgente há cinco anos. Agora, o hospital está à procura de uma solução para que a obra possa avançar, o que poderá aumentar os custos para os cofres públicos.

A atual urgência do hospital recebe cerca de 400 doentes por dia, apesar de ter sido construída com capacidade para menos de metade, como explicou o presidente da Câmara de Viseu, António Almeida Henriques, à TSF. “Eu vou ao hospital e fico chocado com as condições em que as pessoas estão. As pessoas estão espalhadas pelos corredores fora, numa situação que não é humana”, disse.

O autarca acrescentou que os fundos europeus para a ampliação estão há muito disponíveis pelo que considera “natural que a empresa que há dois anos estava disponível para fazer a obra deixe de estar porque o mercado mudou”. Na opinião de Almeida Henriques, é agora necessário perceber se outras empresas que foram a concurso público há dois anos mantêm o interesse.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Após dois anos à espera do Governo, empresa desiste das obras de ampliação do Hospital de Viseu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião