PS promete criar tarifa social para acesso à Internet e computação desde Ensino Básico

  • Lusa
  • 11 Julho 2019

Desburocratizar, aumentar o prazo de validade de documentos oficiais, reforçar financiamento à investigação e levar o programa StartUP Visa além-fronteiras, algumas das medidas do programa do PS.

O PS quer que computação entre no currículo do Ensino Básico, promete criar uma tarifa social para acesso à Internet e assume como objetivo desmaterializar os 25 serviços administrativos mais usados por cidadãos e empresas.

Estas são algumas das medidas que constam do capítulo da área da sociedade digital da proposta de programa eleitoral do PS, documento que será debatido e votado em Convenção Nacional deste partido, no próximo dia 20, em Lisboa.

Como principais metas globais, os socialistas dizem pretender “alcançar um volume de exportações equivalente a 50% do PIB (Produto Interno Bruto) na primeira metade da próxima década e atingir um investimento global em investigação e desenvolvimento de 3% do PIB em 2030″.

Na área das políticas sociais para a transição para uma sociedade digital, o PS encara como prioritário “garantir que a população, na sua globalidade, tenha acesso ao serviço de Internet, o qual deve ser configurado como um direito universal e economicamente acessível, eliminando-se situações de discriminação no acesso e na utilização de serviços públicos disponíveis em linha”.

“Em prol deste objetivo, o PS irá criar uma tarifa social de acesso a serviços de Internet, a qual permita a utilização mais generalizada deste recurso”, lê-se neste documento.

Na área da desburocratização, na proposta de programa eleitoral do PS assume-se como meta, até ao final da próxima legislatura, em 2023, “assegurar que os 25 serviços administrativos mais utilizados pelos cidadãos e pelas empresas são desmaterializados, simplificados e acessíveis online”.

Ainda em matéria de luta contra a burocracia, o PS inscreve nas suas prioridades “um programa de aumento do prazo de validade de documentos e certificados (como, por exemplo, o passaporte e as certidões permanentes), garantindo que os cidadãos não precisam de os renovar tantas vezes”.

Para reforçar a previsibilidade e regularidade do financiamento em ciência, os socialistas colocam como meta um aumento “progressivo do investimento em ciência até atingir 3% do PIB em 2030” e restituir o IVA pago pelos centros de investigação científica sem fins lucrativos com a aquisição de bens ou serviços no âmbito da sua atividade de investigação e desenvolvimento, “desde que os montantes do IVA não sejam dedutíveis e não tenham sido objeto de comparticipação por fundos nacionais ou europeus”.

Outra novidade é a intenção de o PS fazer aprovar uma Lei da Programação do Investimento em Ciência – legislação que, tal como a Lei de Programação Militar, conterá a programação do investimento público em ciência num quadro plurianual a pelo menos 12 anos.

Ao nível do ensino, destaca-se na proposta de programa eleitoral do PS o objetivo de “assegurar o ensino da computação, desde o ensino básico, com metas curriculares”. Uma medida que, segundo o PS, visa “a literacia e ética digitais assente no domínio das ciências da computação e sustentada na prática pela programação, sistemas de informação e eletrónica”.

“Lançar um amplo programa de digitalização para as escolas e apostar na digitalização dos manuais escolares e outros instrumentos pedagógicos” são outras medidas que constam neste documento.

No que respeita à ligação da formação profissional ao mercado de trabalho, os socialistas tencionam “reforçar a aposta na formação dual do sistema de aprendizagem, modalidade formativa de nível secundário em que parte da formação é dada nas empresas, nomeadamente alargando a sua abrangência etária para os jovens adultos”.

Com o objetivo de atrair quadros qualificados, o PS quer promover “o programa StartUP Visa além-fronteiras”. Um programa que se destina “ao acolhimento de empreendedores estrangeiros que pretendam desenvolver um projeto de empreendedorismo e/ou inovação em Portugal, com vista à concessão de visto de residência ou autorização de residência para imigrantes empreendedores”.

No âmbito da esfera laboral, os socialistas apresentam-se como defensores da ideia de “potenciar o recurso ao teletrabalho, não apenas como tipo de contrato autónomo, mas como meio de flexibilidade da prestação de trabalho e como possibilidade de maximizar o uso das tecnologias no âmbito de outras formas contratuais”.

No plano ambiental, na proposta de programa eleitoral do PS preveem-se medidas para Incentivar a gestão inteligente das redes de iluminação pública, “implementando tecnologias que salvaguardem uma maior eficiência energética (LED, por exemplo)”.

Já no concerne a medidas para o combate a violações da privacidade, os socialistas defendem que uma entidade pública deve ter “efetivos poderes e meios para assegurar direitos, liberdades e garantias que sejam colocados em causa devido ao uso de meios digitais, nomeadamente para garantir a privacidade e o bom nome dos cidadãos e das empresas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS promete criar tarifa social para acesso à Internet e computação desde Ensino Básico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião