Maldonado Gonelha, Vara e Bandeira tiveram “intervenção direta” nos créditos mais ruinosos da CGD

O relatório preliminar da comissão parlamentar de inquérito à gestão do banco público sinalizam o papel do vice-presidente e dos dois administradores do tempo de Santos Ferreira.

O antigo vice-presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) Maldonado Gonelha e os dois antigos administradores Armando Vara e Francisco Bandeira estiveram na linha da frente da concessão de créditos que que se verificaram ser negócios ruinosos, segundo concluiu a comissão parlamentar de inquérito à gestão do banco público.

“A maioria das perdas teve origem nos anos do mandato da administração liderada por Santos Ferreira. O vice-presidente Maldonado Gonelha, os administradores Armando Vara e Francisco Bandeira tiveram, segundo os trabalhos da comissão, intervenção direta nos créditos mais problemáticos“, revela o relatório preliminar da CPI.

Esta foi uma das conclusões do documento preliminar que foi elaborado pelo deputado do CDS João Almeida e apresentado esta segunda-feira no Parlamento. Os deputados irão apresentar, nos próximos dois dias, propostas de alterações e a redação final será apresentada em plenário na sexta-feira.

A CPI concluiu que foram concedidos pela CGD vários créditos com pagamento integral no final do contrato, fechadas operações de financiamento à aquisição de participações com “enorme risco sistémico” e ignoradas recomendações da Direção de Gestão de Risco. A maior parte durante a presidência de Carlos Santos Ferreira (2005 e 2008), tal como já tinha indicado a auditoria da EY.

Entre 2000 e 2015, foram aprovados 13 créditos que mereceram parecer desfavorável da Direção Global de Risco, sem que a administração tenha apresentado qualquer justificação para essa decisão e que geraram perdas de 48 milhões de euros. Houve ainda 15 operações que não obtiveram qualquer parecer de análise de risco e que, mesmo assim, avançaram, e geraram perdas de 86 milhões de euros para Caixa. Destas, cinco foram aprovadas por Santos Ferreira.

Foi durante esta presidência que foram decididas operações como Vale do Lobo, Artlant dos catalães da La Seda e vários financiamentos da CGD a empresários como Manuel Fino e Joe Berardo para a aquisição de ações do BCP (banco que Santos Ferreira veio a liderar após sair do banco público).

Não só o presidente, vice-presidente e administradores do mandato em questão são sinalizados no relatório, como o papel do Banco de Portugal (BdP) em relação a estes também é criticado.

“Verificou-se uma dualidade de critérios no tratamento dos casos semelhantes pelo BdP: veja-se Vale do Lobo, onde o BdP escreveu cartas a exigir detalhes da operação mas, depois, no caso do BCP, não exerceu o mesmo zelo; ou como foi usada a moral persuasion para afastar Filipe Pinhal mas restringiu-se no caso de Francisco Bandeira ou Armando Vara o BdP veio invocar motivos legais para cumprir o seu papel. Ou seja, o mesmo BdP que invocava a inexistência de atribuição legal para atuar em certos casos, não deixava de o fazer noutros idênticos“, refere o relatório.

Comentários ({{ total }})

Maldonado Gonelha, Vara e Bandeira tiveram “intervenção direta” nos créditos mais ruinosos da CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião