Banca dá descontos à família para atrair mais clientes. “Borlas” vão das contas aos seguros, até ao crédito da casa

A oferta de descontos a famílias é uma nova estratégia dos bancos para atrair clientes. O crédito à habitação é onde há mais ofertas de descontos, mas as "borlas" vão das contas até aos seguros.

A fidelização de clientes e as comissões tornaram-se elementos chave para os bancos maximizarem receitas e rentabilizarem a sua atividade. Em prol desses objetivos têm-se socorrido de diferentes estratégias. A oferta de descontos a familiares de clientes é uma das mais recentes apostas. A Caixa Geral de Depósitos, o BCP, o Santander, o BPI e o Banco Montepio estão a seguir nesse caminho. O enfoque? O crédito à habitação, mas não só.

Há três bancos a promoverem descontos no crédito à habitação perante a existência de relações familiares. Neste âmbito, a aposta incide na oferta de descontos no spread, com estes a irem de um mínimo de 0,125 pontos percentuais ao máximo de 0,25 pontos, consoante a instituição financeira.

A CGD, que se socorre da frase “Quem tem crédito habitação Caixa tem mais vantagens. E a família também”, para promover o seu produto é a instituição mais generosa. “O valor da redução de spread, comercialmente atribuído, se o cliente reunir condições elegíveis do ponto de vista da aceitação do crédito e confirmar a relação familiar, é de 0,25%“, adiantou ao ECO fonte oficial da CGD. Para ter acesso a esse desconto de spread, o cliente que pretenda recorrer a um financiamento para comprar casa nova tem de fazer prova de ser familiar direto (pai e filhos) de alguém que já disponha de um crédito à habitação Caixa.

Estratégia semelhante está a ser levada a cabo pelo Banco Montepio que no âmbito da comemoração do seu 175 anos lançou uma campanha promocional em que nos contratos de crédito à habitação celebrados até 30 de setembro a fasquia do spread pode baixar até ao mínimo de 1,175%. Mas para chegar a esse valor, é indispensável que o cliente a contratar o empréstimo seja filho de clientes atuais ou novos clientes do Montepio que tenham uma relação ativa com a instituição. Encaixando nesse perfil, há direito a um desconto de 0,125 pontos percentuais no spread a contratar.

Também o BCP se dispõe a “premiar” quem procure financiamento para a compra de casa e tenha ligações familiares com clientes do banco. Encaixando nesse cenário, a instituição financeira liderada por Miguel Maya dispõe-se a abater 0,2 pontos percentuais ao spread a contratar.

O crédito à habitação sobressai no conjunto de vantagens oferecidas às famílias, algo que não será de estranhar sobretudo tendo em conta a disputa com vista à captação de clientes para esse segmento de atividade que se tornou tão relevante para os bancos sobretudo num contexto de juros em mínimos históricos. A descida dos spreads é a ferramenta mais utilizada neste âmbito, a que há cerca de ano e meio também se juntou a estratégia de promoção de uma contratação rápida para o cliente.

Há mais para além de descontos no crédito

A aposta na família não se resume apenas ao crédito à habitação. Também chega a outros produtos financeiros, como as “contas pacote” e os seguros.

O BCP também promove a sua oferta nesse campo. Os clientes do banco que adiram às soluções “cliente Frequente” ou “Mais Portugal” (conta para residentes no estrangeiro) e caso também haja uma conta filha a aderir a uma solução “GO!” (conta destinada aos clientes mais jovens) beneficiam de uma redução na comissão de gestão mensal, passando a pagar 1 euro nos três primeiros meses. O custo mensal base habitual daquelas duas primeiras contas é de 8 euros, valor que baixa para 6 ou 4,5 euros, com a domiciliação de ordenado e consoante for o seu montante respetivo.

Na sua campanha “Vantagem Família”, o banco liderado por Miguel Maya isenta ainda a 12.ª mensalidade no seguro automóvel Móbis, no seguro de saúde Médis ou no seguro multirriscos Homin, ao primeiro titular tanto da “conta pacote” como da “conta filha” associada. Aproveita ainda para promover alguns produtos de poupanças ou a sua oferta de crédito pessoal.

Também o BPI acena às famílias na promoção dos seus produtos. A “Conta Valor”, a “conta pacote” do banco para graúdos e miúdos, e o crédito fazem parte dessa aposta, mas os seguros destacam-se na montra online do banco.

As contratações de seguros que sejam realizadas junto do banco entre 15 de julho e 31 de outubro valem no máximo 450 euros em cartão pré-pago. Ou seja, na contratação do seguros Allianz Auto, Casa e saúde. Cada seguro contratado dá direito a 50 euros de carregamento nesse cartão pré-pago.

Já o Santander Totta oferece 50 euros a quem convide um familiar para ser cliente do banco. Para tal, será necessário que esse familiar abra uma conta Mundo 123 e peça um cartão de débito ou crédito do Santander. A campanha é válida até 15 de outubro.

(Notícia atualizada com campanha do Santander)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca dá descontos à família para atrair mais clientes. “Borlas” vão das contas aos seguros, até ao crédito da casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião