Bankinter diz que a guerra dos spreads da casa atingiu o limite

Banco espanhol tem um spread de apenas 1%, mas a diferença face a outros principais bancos é de apenas 0,25 pontos percentuais. CEO em Portugal afirma que tem havido prudência, apesar da competição.

A guerra dos spreads do crédito à habitação levou a diferença entre as ofertas dos vários bancos para níveis muito reduzidos e, apesar dos alertas do Banco de Portugal, os cortes têm continuado. No entanto, o Bankinter (banco que apresenta, atualmente, o spread mais baixo) vê pouco espaço para novas descidas.

Creio que o nível de redução de spreads terá atingido o seu limite. Já há algum temos que não vemos mais reduções e penso que não há muito mais espaço para que haja reduções dos spreads em Portugal“, afirma Alberto Ramos, CEO do Bankinter em Portugal.

Os maiores bancos em Portugal entraram numa guerra de spreads para aumentar a competitividade e atrair clientes para o crédito à habitação. Entre as dez maiores instituições financeiras no mercado português, a disputa pelo spread mais baixo levou o intervalo entre as propostas mais competitivas a apenas 25 pontos base, entre 1% e 1,25%.

Fonte: Preçários dos bancos | * Spread aplica-se no âmbito da campanha de aniversário do Montepio que dura até setembro.

O Bankinter, que tem 6,5% de quota de mercado, é atualmente o banco com a oferta mais competitiva (com uma diferença cada vez menor dos concorrentes) e tem atualmente em curso uma oferta promocional de crédito à habitação de taxa fixa, seguindo as pisadas de outros bancos. O spread médio observado no crédito à habitação caiu para 2,2% em 2018, em mínimos de 2010.

Alberto Ramos defende que os bancos não estão a arriscar a estabilidade financeira ou a margem do negócio financeiro. “Se olharmos para Espanha, os spreads praticados são muito mais baixos. Penso que até tem havido alguma prudência por parte dos bancos nesta matéria”, diz.

Mas o Banco de Portugal discorda. Após ter imposto, em julho do ano passado, uma recomendação para travar a concessão de crédito à habitação, alertou no início do mês que a guerra dos spreads poderá vir a contribuir para um aumento do malparado no futuro.

“Temos uma avaliação muito prudente do ponto de vista de risco”, afirmou o CEO do Bankinter em Portugal, sobre o próprio banco. Em relação ao travão do supervisor, acrescentou: “Faz sentido que haja maior exigência nos critérios de concessão de crédito. No nosso caso, não teve um impacto particularmente relevante e continuamos a conseguir concretizar bons níveis de concessão de crédito à habitação”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bankinter diz que a guerra dos spreads da casa atingiu o limite

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião