Mourinho Félix: “Mais que um setor crédito especializado exuberante, é preciso um setor responsável”

Com o vice-governador do Banco de Portugal na plateia, o Secretário de Estado Adjunto e das Finanças alertou para a necessidade de o supervisor ficar atento à evolução do crédito.

O Secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, alertou para a necessidade de responsabilidade por parte das empresas de concessão de crédito e ação preventiva pelo supervisor para evitar situações de incumprimento. O elevado endividamento das famílias é ainda uma vulnerabilidade para a economia.

“Créditos sustentáveis são o pilar de uma economia próspera. O endividamento excessivo pode gerar crises financeiras. Mais que um setor de concessão de crédito exuberante, é preciso ter um setor responsável e que continue a contribuir para o crescimento da economia“, afirmou Mourinho Félix, na apresentação do estudo Impacto do Crédito ao Consumo na Economia Portuguesa, desenvolvida por economistas da Nova SBE em parceria com a Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC).

Numa altura em que o malparado continua a ser um problema dos bancos, o Secretário de Estado deixou o aviso que o setor pode impulsionar a economia, mas também gerar crises.

Nos primeiros quatro meses do ano, foram concedidos 2.300 milhões em crédito ao consumo, menos 3% que no período homólogo. A desaceleração na concessão de empréstimos prolonga assim a tendência de abrandamento dos últimos meses do ano passado, após o Banco de Portugal ter implementado em julho uma medida macroprudencial com o objetivo de travar o crédito.

“Uma atuação [macroprudencial] acertada em momentos de expansão permite potenciar o crescimento da economia e pode remediar ou evitar a inversão abrupta do ciclo financeiro”, referiu o Secretário de Estado. “Uma intervenção preventiva e perspetiva, ao nível macroprudencial, deve evitar a adoção de medidas que são depois necessariamente mais duras“.

“É, por isso, necessário continuar a vigiar a evolução da concessão de crédito e a avaliar a aplicação das medidas”, acrescentou Mourinho Félix, no encerramento de uma sessão onde estava também o vice-governador do Banco de Portugal, Luís Máximo dos Santos.

O representante do supervisor da banca lembrou a importância das empresas de crédito especializado no sistema financeiro, dizendo que “tem largas implicações económicas e sociais” e que “é inútil diabolizá-lo”. No entanto, acrescentou que o abrandamento do crédito ao consumo “não é de todo uma má notícia porque as anteriores taxas eram manifestamente elevadas”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mourinho Félix: “Mais que um setor crédito especializado exuberante, é preciso um setor responsável”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião