Farmácias reforçam stocks de medicamentos para prevenir impacto da greve de motoristas

  • ECO
  • 24 Julho 2019

Estão a ser tomadas várias medidas para lidar com a greve dos motoristas, uma delas vem das farmácias, que vão reforçar o stock de medicamentos e os serviços de turno para evitar filas.

As farmácias estão a preparar um reforço do stock de medicamentos e dos turnos de serviço para dar resposta à greve agendada para 12 de agosto que promete parar o país, avança o Público. Depois da paralisação de abril, as entidades que prestam socorro à população esperam que se volte a criar uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA) que dê prioridade, por exemplo, a veículos de bombeiros e proteção civil.

“Espero que esteja salvaguardada uma percentagem de combustível nas gasolineiras, que tenham sempre disponibilidade para os carros dos bombeiros”, referiu ao Público o presidente da Liga de Bombeiros Portugueses, Jaime Marta Soares.

Já da parte da Associação de Distribuidores Farmacêuticos (Adifa), a prioridade é a inclusão deste serviço na REPA. A entidade garantiu que tem “alertado para a necessidade de se manter o critério prioritário e que sejam definidos os procedimentos para o abastecimento das viaturas especializadas que são responsáveis pelo transporte diário dos medicamentos”.

Ainda assim, a Associação Nacional de Farmácias (ANF) está a tomar medidas de precaução. “As farmácias estão a reforçar stocks e serviços de turno” com o objetivo de evitar grandes filas, diz Nuno Flora, secretário-geral da ANF.

Já a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil assegura que “à semelhança dos procedimentos implementados anteriormente, está em permanente contacto com os restantes serviços do Estado”, de forma a garantir que “não exista impacto” na prestação dos serviços de emergência.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farmácias reforçam stocks de medicamentos para prevenir impacto da greve de motoristas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião