Fortaleza da Torre Velha, em Almada, vai integrar segunda edição do Programa Revive

Aos 33 imóveis inscritos no Programa Revive, o Governo vai inscrever mais 15. Entre eles está a Fortaleza da Torre Velha, em Almada, e a sede do GEE do Ministério da Economia, em Lisboa.

Três anos depois de ter arrancado o Programa Revive, com um pacote de 33 monumentos, o Governo vai anunciar esta quinta-feira mais 15 edifícios que serão reabilitados no âmbito desta iniciativa. Da nova lista fazem parte um edifício pombalino na Baixa de Lisboa e um forte em Almada, construído no século XIV, apurou o ECO.

O Revive foi lançado em 2016, é uma iniciativa que prevê a reabilitação de edifícios públicos classificados, devolutos, através de fundos privados, continuando o Estado como proprietários dos mesmos. 33 imóveis depois, 17 concursos lançados, dos quais sete adjudicados, a iniciativa já soma um investimento total de mais de 54,5 milhões de euros, adiantou o Gabinete do Ministro Adjunto e da Economia, em comunicado.

Mas o Governo quer mais. Esta quinta-feira vão ser anunciados os 15 imóveis que irão integrar a segunda edição do Revive e, desta nova lista, farão parte um edifício pombalino no número 8 da Rua da Prata, em Lisboa, que funciona atualmente como sede do Gabinete de Estratégia e Estudos (GEE) do Ministério da Economia, apurou o ECO.

Sede do Gabinete de Estratégia e Estudos (GEE) do Ministério da Economia. Rua da Prata, 8, Lisboa

A este vai também juntar-se um outro monumento, mas na margem Sul do rio Tejo. Trata-se da Fortaleza da Torre Velha, em Almada, também conhecida como Forte de São Sebastião de Caparica ou Torre de São Sebastião de Caparica. O imóvel foi considerado Monumento Nacional pelo Governo em abril de 2012.

De acordo com o site da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), a fortaleza foi mandada construir por D. João II no final do século XV, com o objetivo de defender a barra do Tejo. A torre assegurou a defesa do estuário e dos portos de Lisboa ao longo de mais de sessenta anos e, durante a dinastia filipina, foi alargada e modernizada. “Durante este período ficava conhecida como Torre dos Castelhanos”. A planta da fortificação “desenvolve-se em “U”, composta por três corpos, e três baluartes com casernas”, refere a DGPC.

Em 1801 ficou desativada, passando apenas a acolher viajantes de barco, e, em 1832, voltou a ser remodelada e reativada para uso militar. Contudo, no final do século XIX, passou a servir apenas como depósito e alojamento.

Fortaleza da Torre Velha ou Forte de São Sebastião de CaparicaWikimedia Commons

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fortaleza da Torre Velha, em Almada, vai integrar segunda edição do Programa Revive

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião