Com nova paralisação dos motoristas de matérias perigosas, Siza Vieira defende revisão da lei da greve

  • ECO
  • 30 Julho 2019

O ministro da Economia diz que a lei é dos anos 70 e defendeu uma reflexão sobre se faz sentido mantê-la. Sobre os combustíveis, aconselhou aos portugueses "moderação no consumo".

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, defende a revisão da lei da greve. A menos de duas semanas de os motoristas de matérias perigosas voltarem a parar para reclamar aumentos salariais, o socialista lembrou, em entrevista à RTP, que o diploma foi criado há cinco décadas.

“É uma questão que tem de ser equacionada do ponto de vista político e os protagonistas políticos vários têm de ponderar a conveniência e a necessidade de rever a lei da greve nessa matéria. Não queria avançar com uma ideia, mas a lei é dos anos 70 e faz sentido pensar se devemos mantê-la ou não”, afirmou Siza Vieira, à RTP.

As declarações acontecem a duas semanas de o Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) iniciarem paralisações. A greve, por tempo indeterminado, arranca às 00h00 do dia 12 de agosto.

Siza Vieira refirmou considerar não compreender a posição dos trabalhadores que têm assegurado um aumento salarial no próximo ano. “Aquilo que constatamos é que uma das matérias que neste momento justifica o pré-aviso de greve é uma matéria que foi já objeto de discussão”, afirmou.

“Nesse sentido, é difícil perceber que um acordo que garantia desde já, a partir de janeiro de 2020, ganhos substanciais do ponto de vista salarial, além de um conjunto de outras matérias importantes para os motoristas, possa ser posto em causa por causa de aumentos salariais que só se verificarão daqui a dois ou três anos”, sublinhou.

Portugueses devem “moderar os consumos” durante a greve

Para que não se repita a situação vivida em abril, quando as bombas ficaram sem combustíveis após uma corrida para abastecer, serão fixados serviços mínimos. Esta tarefa ficará a cargo do Governo, depois das propostas dos sindicatos e da ANTRAM terem divergido entre os 25% e os 70%, bem como sobre se incluem trabalho suplementar e operações de cargas e descargas.

O ministro Adjunto e da Economia aconselhou ainda que “as pessoas tentem moderar os consumos” e “evitem deslocações desnecessárias durante os dias de greve” para evitar o caos. “Vai causar transtornos, não temos dúvidas, mas é preciso que os portugueses reajam com maturidade“, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com nova paralisação dos motoristas de matérias perigosas, Siza Vieira defende revisão da lei da greve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião