Aviva estuda vender o negócio na Ásia

  • ECO Seguros
  • 5 Agosto 2019

A seguradora britânica pretende vender o seu negócio asiático com base em Singapura e concorrentes estão a mostrar interesse em comprar o todo ou apenas partes.

A Aviva, uma das maiores seguradoras britânicas, está a vender o seu negócio asiático, revelou a Bloomberg. O valor dos ativos estará entre os 3 e 4 mil milhões dólares, a companhia tem uma filial de Singapura e parcerias estratégicas na China, Hong Kong, Indonésia, Vietname e Índia.

Em Singapura afirma ter 885 mil clientes e serve produtos Vida, Não Vida e Saúde. Ainda segundo a Bloomberg , vários concorrentes estão interessados em adquirir o negócio, embora ainda não esteja certo ser esse o caminho. Segundo fontes próximas dos intervenientes, alguns compradores olham para a hipótese de comprarem apenas partes e não o conjunto.

O novo CEO da Aviva, Maurice Tulloch, que entrou em Março deste ano já tinha desenhado um plano de redução de dívida do grupo que também implicaria um corte anual de custos de 300 milhões libras e a dispensa de 1800 colaboradores até 2022.

A companhia nasceu no ano 2000 após a fusão da GGU e da Norwich Union, adotando desde 2002 a designação Aviva. Tem concentrado a sua atividade no Reino Unido onde tem 48% das suas vendas mundiais e onde dispõe de 10% de quota de mercado nos ramos Vida e Pensões.

Apesar dos lucros da Aviva na Ásia terem subido em 2018 para 285 milhões de libras em 2018, a concentração em alguns mercados é estratégica, está hoje em 14 países, metade dos que operava em 2011.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aviva estuda vender o negócio na Ásia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião