Taxa sobre seguros é 99% da receita do INEM

  • ECO Seguros
  • 5 Agosto 2019

Os 2,5% de taxas cobradas sobre prémios de seguros financiam quase na totalidade a atividade de emergência médica em Portugal. O INEM obteve lucro de 10 milhões em 2018.

As taxas de 2,5 % calculadas sobre os prémios base em seguros de Vida, de Saúde, de Acidentes pessoais e Automóvel, representaram a quase totalidade das receitas correntes do INEM – Instituto Nacional de Emergência Médica segundo dados do Relatório de Atividades e Contas desta entidade e relativo a 2018.

As receitas cobradas pelas seguradoras totalizaram 114,6 milhões de euros no ano passado e provêm da cobrança de 2,5% dos prémios ou contribuições, relativos a contratos de seguros do ramo Vida e respetivas coberturas complementares, e contratos de seguros dos ramos Doença, Acidentes, Veículos terrestres e Responsabilidade civil de veículos terrestres a motor, celebrados por entidades sediadas ou residentes no continente. A prestação de serviços e concessões renderam pouco mais de 400 mil euros e outros rendimentos 1,1 milhões de euros.

A taxa INEM, que em 2015 aumentou de 2% para 2,5%, tem sido a fundamental sustentação do organismo público. No último ano cresceu 7,6% relativamente aos 106 milhões de 2017, devido, segundo o organismo público “à evolução favorável da conjuntura macroeconómica, com aceleração do crescimento económico, melhoria sustentada do mercado de trabalho e aumento real do rendimento disponível das famílias”. O crescimento médio anual das receitas de taxas sobre prémios de seguros tem sido de 7% desde 2015.

Os gastos no INEM foram, essencialmente, 50 milhões de euros em transferências e subsídios concedidos, 31 milhões em despesas com pessoal, com os cerca de 1400 colaboradores, e 20,5 milhões em fornecimentos de terceiros. Os Resultados antes de juros e amortizações (EBITDA) atingiram 13,4 milhões de euros e os resultados líquidos foram positivos em 9,8 milhões.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxa sobre seguros é 99% da receita do INEM

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião