Pardal Henriques, advogado dos motoristas faz queixa-crime na Polícia Judiciária

  • ECO
  • 7 Agosto 2019

Queixa-crime na PJ alega a prática de esquemas de fraude fiscal por parte de um conjunto de empresas de transportes que lesarão o Estado e os trabalhadores em 300 milhões de euros por ano.

Pedro Pardal Henriques, advogado e porta-voz do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas apresentou uma queixa-crime na Polícia Judiciária esta quarta-feira. A notícia é avançada pelo Expresso que adianta que esta incide sobre esquemas de fraude fiscal praticadas por grandes empresas de transportes de pesados. Pardal Henriques diz que vai juntar mais nomes de empresas e provas físicas e documentais que provam as acusações.

A informação terá sido prestada àquele jornal pelo próprio representante dos motoristas de matérias perigosas que denunciam alegados esquemas de fraude fiscal realizadas “por várias empresas representadas pela ANTRAM”.

Entre as empresas denunciadas estarão as cinco que avançaram na terça-feira com uma providência cautelar a pedir a ilegalidade do pré-aviso de greve dos motoristas e dos fundamentos do pré-aviso por considerarem que há um abuso do direito à greve e da boa-fé, já que estava em curso um processo negocial, e que está em causa o princípio da proporcionalidade.

O advogado Pardal Henriques revelou o nome das empresas em causa: “São a Transportes Paulo Duarte, Atlantic Cargo, J Barroso, Alves Bandeira, Transfrota e Tiel“, afirmou ao Expresso.

Em declarações aos jornalistas prestadas à saída da Polícia Judiciária nesta quarta, Pardal Henriques voltou a salientar as “virtudes” da queixa-crime apresentada às autoridades.

“Esta queixa já vinha a ser anunciada há bastante tempo, e hoje achamos que deveria ser apresentada na Polícia Judicial, tendo em conta que já denunciamos para a Autoridade das Condições de Trabalho e para o Governo”, afirmou o advogado em declarações transmitidas pela RTP 3.

Prejuízos para Estado e trabalhadores quantificado em 300 milhões

Pardal Henriques quantificou ainda em cerca de 300 milhões de euros, o montante que essas empresas estarão a retirar ao Estado e aos trabalhadores ao lhes pagarem “por baixo da mesa” o trabalho suplementar.

“Fica lesado o Estado português, ficam lesadas estas pessoas que trabalham e lhe veem retirados direitos, nomeadamente quanto a uma doença, a um acidente ou relativamente à sua reforma. E nós não podemos aceitar isto”, acrescentou.

Relativamente aos alvos da queixa-crime hoje entregue, o representante do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas diz ser “contra diversas empresas”. “Há grandes empresas que dominam o setor – nomeadamente os Transportes Paulo Duarte ou a Atlantic Cargo –, mas isto é uma prática generalizada que está estabelecida neste país”, disse Pardal Henriques.

O responsável contextualizou que há outras empresas que vão ser adicionadas à lista, e que vão ainda “juntar as provas físicas e documentais do trabalho suplementar que essas pessoas fazem, e os recibos de vencimento que comprovam claramente que recebem o trabalho suplementar por baixo da mesa”.

Questionado sobre o timing escolhido para a greve, antes das legislativas e em pleno período de férias de verão, Pardal Henriques diz que “não tem que ser mal interpretado”. “É o timing preciso. É estratégico? Sim”, concluiu.

(Notícia atualizada às 18h44 com declarações de Pardal Herinques)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pardal Henriques, advogado dos motoristas faz queixa-crime na Polícia Judiciária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião