Deputados e seguradores britânicos contra mãos-livres

  • ECO Seguros
  • 14 Agosto 2019

Falar ao telefone em sistema mãos livres ou usando um aparelho tem a mesma e bastante gravidade, concluiu comité de deputados da Câmara dos Comuns britânica. Seguradores apoiam conclusões.

Devem ser consideradas medidas mais duras para conversas telefónicas durante a condução, mesmo se realizadas através de sistemas de mãos livres, concluiu o Commons Transport Select Committee, comissão especializada do parlamento britânico para assuntos de transporte no seu relatório “Road safety: driving while using a mobile phone”, que trata o uso de telemóvel e as suas implicações na segurança rodoviária.

No Reino Unido desde 2003 que falar ao volante de um carro em movimento segurando um aparelho é penalizado com 6 pontos na carta e 200 libras de multa. No entanto, em 2017, 43 pessoas morreram, 135 ficaram gravemente feridas e 595 foram feridos ligeiros em acidentes de automóvel em que o uso de telemóveis contribuiu. Este total de 773 vítimas tem vindo a subir desde 2009 quando mortos e feridos foram de 509.

Outro dado que a Comissão reteve foi o aumento do número de licenciados para conduzir no Reino Unido. Em 2003 eram pouco mais de 31 milhões, hoje são quase 38 milhões, um aumento de 18%. No mesmo período os lares com pelo menos um telefone móvel passou de 76% para 95%.

O relatório da Comissão, perante todos os factos que estudados, conclui: “O uso de telemóveis, ou outro aparelho, prejudica a habilidade para conduzir em segurança e torna mais provável a ocorrência de acidentes viários. Esta é uma verdade quer se trate de um aparelho manual quer seja um sistema de mãos livres”.

A ABI – Association of British Insurers, associação que junta as companhias de seguros, veio em apoio a estas conclusões. Laurenz Gerger, Conselheiro da ABI para o ramo automóvel afirmou ao jornal Inteligent Insurer que “o uso de telemóveis na condução deve ser tão socialmente inaceitável como conduzir alcoolizado”.

Também o aristocrático RAC- Royal Automobile Club e a mais popular AA – Automobile Association apoiam a perseguição ao uso de telemóveis. Edmund King, presidente do AA, declarou mesmo que “devia haver mais polícia atenta a quem fala ao telefone quando conduz”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deputados e seguradores britânicos contra mãos-livres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião