PCP solidário com os motoristas, mas teme que paralisação limite o direito à greve

  • Lusa
  • 15 Agosto 2019

Jerónimo de Sousa disse que os comunistas estão solidários com a luta dos motoristas de matérias perigosas, mas advertiu que a greve por tempo indeterminado pode limitar o exercício desse direito.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, disse esta quinta-feira que o partido está “solidário” com os motoristas de pesados, mas advertiu que a paralisação por tempo indeterminado em curso no setor pode contribuir para “limitar direito à greve”.

“Não haja a menor dúvida: o PCP é inteiramente solidário com os trabalhadores do setor e as suas reivindicações”, afirmou Jerónimo de Sousa aos cerca de 300 militantes presentes no comício de verão que o PCP realiza anualmente junto à praia de Monte Gordo, Vila Real de Santo António, e que serviu para apresentar o cabeça de lista da CDU pelo distrito de Faro à Assembleia da República, Tiago Raposo.

O secretário-geral do PCP considerou que “não é, entretanto, possível iludir a operação que se desenvolve e as vozes que se vão ouvindo a dar lastro para pôr em causa o direito à greve”, referindo-se a mecanismos como a requisição civil, que o Governo decretou, alegando incumprimento de serviços mínimos, para minorar os impactos da paralisação dos motoristas de matérias perigosas em curso desde a meia-noite de segunda-feira.

Jerónimo de Sousa disse que o caminho da luta pelos direitos destes trabalhadores “vai sendo feito com uma greve decretada por tempo indeterminado com uma argumentação que instrumentaliza reais problemas e descontentamento dos motoristas” e advertiu que os promotores “não se importam de dar pretextos à limitação do direito à greve, como se está a verificar”. “Um caminho que o Governo trilha adotando medidas – serviços mínimos, requisição civil, entre outros desenvolvimentos – que limitam o direito à greve neste setor e são suscetíveis de uma invocação alargada”, criticou.

O dirigente do PCP considerou ser necessário realizar uma “luta consequente, acompanhada de uma negociação coletiva, que resolva os problemas”, mas que “reafirme a defesa do efetivo exercício do direito à greve”, e remeteu para o processo negocial em curso entre os patrões da camionagem e a federação sindical da CGTP.

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) e a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) assinaram na quarta-feira um acordo relativo ao contrato coletivo de trabalho no Ministério das Infraestruturas e da Habitação, em Lisboa, mas a associação empresarial manteve a recusa em se reunir com o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), que convocou a greve por tempo indeterminado, e com o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), enquanto não se desconvocar a paralisação.

“Tendo sido ontem obtido um protocolo de acordo com novos avanços, no plano dos salários, dos direitos e das condições de trabalho, é necessário que se finalizem as negociações, que os motoristas beneficiem da aplicação desses avanços em 2020, sem prejuízo da negociação para os próximos anos, e que seja garantida uma intervenção da Autoridade das Condições de Trabalho de modo a combater o desrespeito por parte do patronato dos direitos acordados”, defendeu ainda o secretário-geral do PCP.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP solidário com os motoristas, mas teme que paralisação limite o direito à greve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião