BRANDS' ECOSEGUROS O novo paradigma da DAC6 e os deveres de diligência dos intermediários financeiros

  • ECOseguros + EY
  • 21 Agosto 2019

Luís Pinto, EY Associate Partner, fala sobre a atual Diretiva (UE) 2018/822, comummente designada por DAC6, que pretende reforçar a transparência e o combate à evasão fiscal.

Foi tornado público no passado mês de junho o anteprojeto de diploma que visa transpor para Portugal a Diretiva (UE) 2018/822, do Conselho, que altera a Diretiva 2011/16/UE relativa à cooperação administrativa no domínio da fiscalidade entre os Estados-membros da UE.

Inserida num vasto conjunto de medidas que pretendem reforçar a transparência e o combate à evasão fiscal, esta diretiva, comummente designada por DAC6, e cuja transposição ocorrerá obrigatoriamente até ao final do ano, prevê um mecanismo de troca automática de informações entre os Estados-membros relativamente a mecanismos transfronteiriços com características-chave que indiciem um potencial risco de evasão fiscal.

A primeira comunicação ocorrerá até 31 de agosto de 2020 (e, daí em diante, no prazo de 30 dias a contar da data relevante em cada caso) e abrangerá, necessariamente, todos os mecanismos cujo primeiro passo de implementação se tenha verificado entre 25 de junho de 2018 (ou seja, há mais de um ano!) e 1 de julho de 2020.

 

Refira-se que este tipo de regime não é novidade em Portugal, na medida em que se encontra em vigor o regime interno, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 29/2008, que estabelece deveres de comunicação, informação e esclarecimento à AT para prevenir e combater o planeamento fiscal abusivo doméstico. Contudo, as diferenças entre o regime interno e o que se perspetiva com a DAC6 são várias, destacando-se, entre outros, o facto de a DAC6 prever a identificação pelo intermediário do utilizador do mecanismo (o contribuinte relevante).

A adoção da DAC6, nos moldes que se encontram previstos no anteprojeto, representa (mais) um importante desafio para o sector segurador (assim como para o restante mercado financeiro), dado, entre outros aspetos relevantes, o conceito bastante abrangente de intermediário (que terá a responsabilidade principal pela comunicação dos mecanismos à AT).

Com efeito, e focando-nos agora em concreto neste ponto específico, o conceito de intermediário abrangerá não apenas aqueles que concebem, comercializam ou intervêm ativamente na aplicação do mecanismo, mas também todos aqueles que, tendo por base a informação disponível e os conhecimentos e competências relevantes necessários para prestar os serviços, saibam (ou se espera que possam razoavelmente saber) que se comprometeram a colaborar na aplicação do mecanismo.

Ora, tomando em consideração o papel central que os intermediários financeiros assumem cada vez mais no mercado, prevê-se que os mesmos venham a ser confrontados, de forma regular, com determinadas questões pertinentes, nomeadamente: Até que ponto a intervenção na prestação de serviços relacionados com seguros deverá implicar a respetiva qualificação como intermediários para efeitos da DAC6? Será suposto que o intermediário financeiro, a atuar enquanto tal, deva dispor sempre de um conhecimento pormenorizado das operações realizadas pelos clientes que lhe permita concluir se estão verificadas algumas das características-chave? E até onde deverão ir essas diligências? Neste âmbito, o intermediário financeiro poderá basear-se apenas na informação exigida atualmente ao nível dos procedimentos AML/KYC ou deverá efetuar esforços adicionais? Terão as equipas comerciais que ter conhecimentos específicos que lhes permitam identificar as características-chave?

 

Na prática, a questão essencial reside em saber qual o âmbito que deverá ser conferido ao “dever de conhecer” que parece passar a recair sobre os intermediários financeiros, ao abrigo da DAC6, e se tal deverá ou não implicar novos deveres de diligência.

Facilmente se percebe que este regime vem exigir do sector um esforço (adicional) considerável para assegurarem, a todo o momento, o cumprimento da miríade de obrigações que sobre eles recaem e que culminará com o reporte/ comunicação de informação mensal à AT sobre os mecanismos elegíveis.

 

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O novo paradigma da DAC6 e os deveres de diligência dos intermediários financeiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião