BRANDS' ECOSEGUROS O novo paradigma da DAC6 e os deveres de diligência dos intermediários financeiros

  • ECOseguros + EY
  • 21 Agosto 2019

Luís Pinto, EY Associate Partner, fala sobre a atual Diretiva (UE) 2018/822, comummente designada por DAC6, que pretende reforçar a transparência e o combate à evasão fiscal.

Foi tornado público no passado mês de junho o anteprojeto de diploma que visa transpor para Portugal a Diretiva (UE) 2018/822, do Conselho, que altera a Diretiva 2011/16/UE relativa à cooperação administrativa no domínio da fiscalidade entre os Estados-membros da UE.

Inserida num vasto conjunto de medidas que pretendem reforçar a transparência e o combate à evasão fiscal, esta diretiva, comummente designada por DAC6, e cuja transposição ocorrerá obrigatoriamente até ao final do ano, prevê um mecanismo de troca automática de informações entre os Estados-membros relativamente a mecanismos transfronteiriços com características-chave que indiciem um potencial risco de evasão fiscal.

A primeira comunicação ocorrerá até 31 de agosto de 2020 (e, daí em diante, no prazo de 30 dias a contar da data relevante em cada caso) e abrangerá, necessariamente, todos os mecanismos cujo primeiro passo de implementação se tenha verificado entre 25 de junho de 2018 (ou seja, há mais de um ano!) e 1 de julho de 2020.

 

Refira-se que este tipo de regime não é novidade em Portugal, na medida em que se encontra em vigor o regime interno, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 29/2008, que estabelece deveres de comunicação, informação e esclarecimento à AT para prevenir e combater o planeamento fiscal abusivo doméstico. Contudo, as diferenças entre o regime interno e o que se perspetiva com a DAC6 são várias, destacando-se, entre outros, o facto de a DAC6 prever a identificação pelo intermediário do utilizador do mecanismo (o contribuinte relevante).

A adoção da DAC6, nos moldes que se encontram previstos no anteprojeto, representa (mais) um importante desafio para o sector segurador (assim como para o restante mercado financeiro), dado, entre outros aspetos relevantes, o conceito bastante abrangente de intermediário (que terá a responsabilidade principal pela comunicação dos mecanismos à AT).

Com efeito, e focando-nos agora em concreto neste ponto específico, o conceito de intermediário abrangerá não apenas aqueles que concebem, comercializam ou intervêm ativamente na aplicação do mecanismo, mas também todos aqueles que, tendo por base a informação disponível e os conhecimentos e competências relevantes necessários para prestar os serviços, saibam (ou se espera que possam razoavelmente saber) que se comprometeram a colaborar na aplicação do mecanismo.

Ora, tomando em consideração o papel central que os intermediários financeiros assumem cada vez mais no mercado, prevê-se que os mesmos venham a ser confrontados, de forma regular, com determinadas questões pertinentes, nomeadamente: Até que ponto a intervenção na prestação de serviços relacionados com seguros deverá implicar a respetiva qualificação como intermediários para efeitos da DAC6? Será suposto que o intermediário financeiro, a atuar enquanto tal, deva dispor sempre de um conhecimento pormenorizado das operações realizadas pelos clientes que lhe permita concluir se estão verificadas algumas das características-chave? E até onde deverão ir essas diligências? Neste âmbito, o intermediário financeiro poderá basear-se apenas na informação exigida atualmente ao nível dos procedimentos AML/KYC ou deverá efetuar esforços adicionais? Terão as equipas comerciais que ter conhecimentos específicos que lhes permitam identificar as características-chave?

 

Na prática, a questão essencial reside em saber qual o âmbito que deverá ser conferido ao “dever de conhecer” que parece passar a recair sobre os intermediários financeiros, ao abrigo da DAC6, e se tal deverá ou não implicar novos deveres de diligência.

Facilmente se percebe que este regime vem exigir do sector um esforço (adicional) considerável para assegurarem, a todo o momento, o cumprimento da miríade de obrigações que sobre eles recaem e que culminará com o reporte/ comunicação de informação mensal à AT sobre os mecanismos elegíveis.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O novo paradigma da DAC6 e os deveres de diligência dos intermediários financeiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião