Estes são os 50 maiores grupos seguradores ibéricos

  • ECO Seguros
  • 25 Agosto 2019

VidaCaixa, Mapfre e Mutua Madrilena lideram a lista dos maiores grupos seguradores ibéricos por volume de prémios emitidos. Os negócios portugueses destacam a Fidelidade.

O grupo segurador VidaCaixa, empresa mãe da BPI Vida e Pensões e parte do grupo Caixabank que inclui o BPI, é o maior a operar na Península Ibérica. O ranking foi estabelecido pelo volume de prémios emitidos em 2018 e a Fidelidade, ou Fosum Insurance Group, como é designado em Espanha, é o maior sediado em Portugal com cerca de metade da dimensão da VidaCaixa e em 4º lugar no ranking ibérico.

A análise das atividades em Portugal e Espanha permitem concluir:

  • Existem 136 grupos seguradores ou empresas individualizadas na Iberia, 32 em Portugal e 104 em Espanha cujo valor de prémios emitidos foi de 62,5 mil milhões de euros em Espanha e de 13,1 mil milhões em Portugal. Este volume de prémios é superior 4,7 vezes em Espanha relativamente a Portugal.
  • Não existem grandes diferenças em relação a penetração e volume de prémios per capita. Se em Espanha foram emitidos 4,7 vezes o valor de prémios, a população é 4,5 vezes maior, mas o PIB é 6 vezes maior. Em valores e rácios, em Portugal a penetração de seguros é de 6,5% do PIB e os prémios emitidos per capita são de 1279 euros. Em Espanha os mesmos indicadores são 5,2% e 1332 euros.
  • A concentração em Espanha é menos notória que em Portugal. Os três maiores grupos espanhóis têm uma quota de mercado de 33% (em Portugal 60%), Os cinco maiores têm, em Espanha, 45% do mercado (72% em Portugal). Finalmente as 10 maiores dispõem em Espanha de 65% enquanto em Portugal representam 88%. É de notar que em Portugal a concentração aumentou com a recente aquisição da Seguradoras Unidas pela Generali.
  • Segundo o estudo da Fundación Mapfre “The spanish insurance market in 2018”, existiam, no final de 2017, 54 entidades seguradoras espanholas a operar no Espaço Económico Europeu. Portugal, com 12 sucursais, era o maior destino, seguido pela Itália com sete e Reino Unido com cinco. Em regime de prestação de serviços Portugal e Reino Unido eram os países mais significativos para empresas espanholas, com França e Alemanha nos lugares seguintes. Para a indústria espanhola, Portugal continua a ser o destino europeu mais natural.

VidaCaixa: líder ibérica gere mais de 88 milhões de euros

A VidaCaixa é a companhia de seguros do ramo vida detida a 100% pelo Caixabank e centra a sua atividade no negócio de seguros de vida e fundos de pensões em Espanha tendo obtido prémios no valor de 8,2 mil milhões de euros em 2018. Em Portugal controla o BPI Vida e Pensões desde dezembro de 2017, quando o Banco BPI vendeu a totalidade da participação, após integração do banco português no grupo espanhol Caixabank.

Sede da VidaCaixa em Madrid. O grupo segurador é especializado em Vida e Pensões

Com cerca de 500 funcionários, a VidaCaixa geria no final do primeiro trimestre um património superior a 88,5 mil milhões de euros, detendo neste domínio uma quota de mercado de 27,4% do mercado ibérico, dos quais cerca de 7,8 milhões de ativos geridos em nome do BPI Vida. A VidaCaixa detém ainda uma participação estratégica de 49% na SegurCaixa Adeslas, assegurando a sua produção nos ramos Não Vida. A Adeslas é controlada a 50% pela Mutua Madrilena que é o terceiro maior grupo ibérico, funcionando como uma parceria fundamental aos dois grupos em seguros gerais.

O desempenho no primeiro semestre deste ano foi de 5,84 mil milhões de euros de prémios emitidos, um valor quase 3% inferior ao de igual período de 2018. No entanto, a totalidade do mercado baixou 5,1% nesse período.

A VidaCaixa nasceu em 1992 com a atividade seguradora da Caja de Pensiones para la Vejez y de Ahorros, cuja origem remonta a 1904 quando lançou o primeiro plano de pensões em Espanha.

Os canais de distribuição usados pela VidaCaixa são os escritórios próprios e os escritórios locais com exclusividade. Também usa “laCaixa” como canal bancaseguros, agentes exclusivos monoramo ou multiramo, corretores, mediadores e agentes gestores de carteira.

Os 50 Maiores Grupos Ibéricos

Focando apenas em dimensão, medida por valor em euros dos prémios emitidos em 2018, doze grupos portugueses – mesmo com predominância de capital estrangeiro – estão entre os 50 maiores grupos ibéricos.

  • VidaCaixa é o maior grupo ibérico com 8,7 mil milhões de faturação em prémios emitidos em 2018, resultantes da atividade da VidaCaixa e BPI Vida e Pensões, significando a empresa portuguesa 6% do total.
  • Mapfre é o segundo maior grupo com 7,3 mil milhões através as participações em Mapfre Espana, Vida, Bankia Mapfre Vida, CCM Vida y Pensiones, Bankinter Vida, Verti, Mapfre Global Risks e Bankinter Seguros Generales. Em Portugal, o grupo conta com Mapfre Seguros Gerais, Mapfre Seguros de Vida e Mapfre Assistência, significando, em conjunto, 2% do total do grupo Mapfre a nível ibérico.
  • Mutua Madrilena é o terceiro grupo com 5,27 mil milhões, através da SegurCaixa Adeslas (onde VidaCaixa detém 49% do capital), MM Hogar e a própria MM. Revelou interesse na aquisição da Seguradoras Unidas à Apollo numa primeira fase, mas manteve-se sem interesses diretos em Portugal.
  • Fidelidade é o primeiro grupo português com 4,77 mil milhões, embora Espanha – onde o grupo é conhecido por Fosun Insurance Group – conte apenas 1,7% para o total.
  • A Allianz ocupa o 5º lugar dos grupos Ibéricos com 4,3 mil milhões, embora em final de 2018, ainda estivesse presente no Allianz Popular Vida, participação que já este ano vendeu ao Santander. Usa as seguradoras Allianz e a Fénix Direto para além da Allianz Portugal que representa 16% dos prémios ibéricos. A seguradora alemã esteve interessada na Seguradoras Unidas e é apontada para a compra da BBVA Seguros, a 11ª do ranking espanhol com 1,66 mil milhões de prémios.
  • A Zurich é o sexto grupo com quase 4 mil milhões de euros representando as portuguesas Zurich Insurance e a Zurich Vida cerca de 11% deste volume. Em Espanha detém a Bancasabadell Vida, Zurich Insurance, Zurich Vida e Bancasabadell Seguros Generales.
  • A Generali passou a ser o sétimo maior grupo ibérico, com 3,4 mil milhões a valores de 2018, após a Compra da Seguradoras Unidas. Os interesses portugueses pesam agora 30% através da Generali, Generali Vida e Europ Assistance. Em Espanha tem a Generali Seguros, Cajamar, Europ Assistance e Cajamar Seguros Generales.
  • Também para o Santander o negócio português tem um peso relevante nos prémios emitidos na Iberia. São 35% dos 3,07 mil milhões que são obtidos através do Santander Totta Vida, Aegon Santander Vida, Aegon Santander Não Vida e Popular Seguros. Em Espanha conta o Santander Seguros e a totalidade do Allianz Popular, realidade nascida já em 2019, ainda não contabilizada neste ranking.
  • Os seguintes grupos classificados por dimensão de prémios são em 9º lugar a Catalana Occidente, com 2,8 mil milhões e um negócio de apenas 17 milhões de euros em Portugal seguindo-se seguradoras que só operam em Espanha: AXA e Santalucia.
  • Em 12º lugar entre os grupos ibéricos está a Ageas, com negócios apenas em Portugal e 2,14 mil milhões de euros de prémios emitidos através da Ocidental Vida, Ocidental, Ageas Não Vida, Ageas Vida e Médis.

A listagem dos maiores grupos ibéricos, de Espanha e de Portugal

O ranking ibérico foi estabelecido adicionando o volume de prémios emitidos em Portugal e Espanha pelos grupos ou empresas atuando nos dois mercados. Os dados, respeitantes ao ano de 2018, foram recolhidos junto da organização independente Asociación ICEA – Investigación Cooperativa entre Entidades Aseguradoras y Fondos de Pensiones, que junta 200 entidades representativas de 95% dos prémios de seguros emitidos em Espanha e por estatísticas da APS – Associação Portuguesa de Seguradores para os valores de empresas que operam em Portugal.

O tratamento da informação na constituição de grupos em Espanha foi realizado pela própria ICEA, enquanto em Portugal os agrupamentos foram elaborados por ECOseguros.

A lista segue:

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Estes são os 50 maiores grupos seguradores ibéricos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião