Wall Street abre em alta com os investidores ainda presos às palavras de Trump

Mais um dia, mais uma negociação afetada pelas palavras - muitas vezes contraditórias - de Donald Trump sobre as negociações com a China. Farmacêuticas valorizaram apesar da multa à Johnson & Johnson.

A Bolsa de Nova Iorque abriu esta terça-feira em alta, com os investidores ainda presos às últimas palavras de Donald Trump sobre a vontade da China de negociar, apesar das várias mudanças de posição que têm vindo a acontecer nas últimas semanas. A indústria chinesa também voltou aos lucros em julho, dando mostras de alguma resiliência apesar da crescente tensão com os EUA.

Depois de terem fechado a valorizar mais de 1% na segunda-feira, os principais índices da principal praça nova-iorquina começaram o dia com ganhos mais moderados. O industrial Dow Jones subiu 0,47%, o tecnológico Nasdaq 0,65% e o S&P 500 outros 0,54%.

Na base do otimismo dos investidores voltou a estar a posição de Donald Trump em relação à possibilidade de um acordo com a China que coloque um ponto final na guerra comercial que tem vindo a desenvolver-se nos últimos dois anos e meio.

Mas também houve dados positivos, como o regresso aos lucros da indústria chinesa durante o mês de julho, demonstrando alguma resiliência num dos setores mais afetados pelos vários aumentos das taxas aduaneiras impostos pelos Estados Unidos.

As ações das farmacêuticas norte-americanas também começaram o dia com valorizações significativas, com destaque para a Johnson & Johnson que foi condenada na segunda-feira a pagar uma multa de 572 milhões de dólares devido ao seu papel na epidemia de opioides, já considerada uma crise de saúde pública, no Estado do Oklahoma. Apesar da multa recorde, e do precedente aberto com esta decisão, os investidores esperavam uma penalização ainda maior e por isso as ações estão a valorizar, assim com as das restantes farmacêuticas que enfrentam processos semelhantes. A empresa já disse que vai recorrer.

Também o otimismo nas bolsas europeias ajudou a melhorar o ambiente na praça nova-iorquina, mesmo depois de serem confirmados os dados que davam conta de uma contração da economia alemã, a maior da Europa e a quarta maior do mundo, no segundo trimestre do ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street abre em alta com os investidores ainda presos às palavras de Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião