BCE prepara megapacote de estímulo no euro e compensação aos bancos

Autoridades em Frankfurt estão a pensar numa mega plano de estímulos para impulsionar economia. Inclui corte de juros, compensar bancos pelas taxas negativas e um novo programa de compra de ativos.

Vem aí um mega plano de estímulos do Banco Central Europeu (BCE), naquele se parece ser o derradeiro esforço das autoridades monetárias europeias para impulsionar a economia, que dá cada vez mais sinais de travagem a fundo, e reforçar a inflação na Zona Euro.

De acordo com a Reuters, os responsáveis do BCE estão cada vez mais inclinados a aplicar um plano de estímulos que inclui um corte da taxa de juro, o reforço do compromisso de que os juros se vão manter em mínimos históricos durante muito tempo e ainda uma compensação aos bancos devido aos efeitos colaterais dos juros negativos.

Cinco fontes próximas das discussões em Frankfurt adiantaram à agência financeira que há ainda quem esteja a favor de acionar um novo programa de compra ativos mais reforçado, uma medida que tem, no entanto, a oposição de alguns Estados membros do Norte.

As mesmas fontes referiram que ainda não há decisões, salientando que as discussões continuam em curso. Num primeiro momento, nos mercados fez-se sentir o efeito destas potenciais medidas, com o setor financeiro a recuperar das perdas. Registaram-se ganhos nos bancos europeus que permitiram às bolsas do Velho Continente recuperarem fôlego durante algum tempo. No entanto, com dados económicos negativos nos EUA, este efeito desapareceu.

Ao mesmo tempo, no mercado de dívida os juros dos soberanos do euro acentuam a queda, ficando ainda mais negativos em vários países, especialmente na Alemanha.

O conselho de governadores do BCE prepara-se para reunir na próxima semana, no dia 12 de setembro, e decisões sobre o rumo a dar à política monetária deverão ser anunciadas após este encontro, deixando os mercados na expectativa sobre a dimensão e composição deste plano de estímulos, lembra a agência Reuters. Ainda assim, as mesmas fontes referiram que não fará sentido ao BCE anunciar as medidas ao longo de várias reuniões, isto apesar de sublinharem que o banco central também deve deixar algumas ferramentas aos dispor de Christine Lagarde, que vai ocupar a posição de presidente do BCE após a saída de Draghi no início de novembro.

Várias fontes afirmaram ainda à agência que as propostas finais só deverão ser apresentadas aos decisores de política monetária apenas na semana da reunião, como passou a ser habitual antes de grandes decisões.

Sobre o programa de compra de ativos, embora seja uma medida controversa, três fontes revelaram que o BCE ainda tem margem de manobra para comprar obrigações durante um ano usando o atual quadro regulatório, não sendo necessário mudar a regra de elegibilidade do BCE de não deter mais de um terço das obrigações dos países. Embora o programa de compra de ativos tenha a dívida pública como referência, não se descarta que ativos do setor privado venham a ser incluídos.

Em relação ao corte de juros, a Reuters diz que qualquer redução nas taxas deverá ser acompanhada de uma taxa de depósito em vários escalões, que isentaria os bancos de algumas das taxas punitivas do BCE pela manutenção de depósitos overnight.

(Notícia atualizada às 15h47)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE prepara megapacote de estímulo no euro e compensação aos bancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião