Estado recebeu milhões em impostos pagos em segurados

  • ECO Seguros
  • 3 Setembro 2019

Por definição, as seguradoras devolvem à sociedade o dinheiro que recebem dos segurados mas, entre impostos e taxas diversas, o Estado recolhe quase 6% do total.

A APS – Associação Portuguesa de Seguradores divulgou a origem e destino dado aos valores que as suas associadas recebem dos segurados. Usando o caso de 2018, em que foram faturados cerca de 13,5 mil pelas companhias de seguros, esses valores foram repartidos por diferentes stakeholders ficando o Estado, sob as suas mais diversas formas, com mais de 800 milhões de euros coletados através de impostos e taxas.

Os segurados Vida contribuem com 60% para as receitas (8,1 mil milhões de euros) enquanto as apólices Não Vida pagam 4,8 mil milhões de euros (35,5%). Nestas entradas o Estado acaba por receber 4,5% do total, um valor de 600 milhões de euros.

Os sinistros, seus custos e as provisões para eles são a grande despesa das seguradoras, tendo as indemnizações custado às companhias 7,7 mil milhões relativo a seguros de Vida e 3,3 mil milhões para seguros Não Vida.

A diferença divide-se pela sociedade de modos diferentes. Os mediadores, profissão essencial ao bom funcionamento e à eficiência do setor, recebem 700 milhões de euros (5,2% do total) em comissões. Os trabalhadores das seguradoras recebem 500 milhões de euros (3,7%), tanto quanto recebem os acionistas que arriscam os seus investimentos.

O restante recebe o Estado, um valor de cerca de 200 milhões a adicionar aos iniciais 600 milhões o que dá um total de 800 milhões, ou seja, 6% do valor movimentado anualmente pelas seguradoras.

Retificação: Corrigimos os valores recolhidos pelo Estado em relação à primeira versão deste artigo. Não se trata de 1,4 mil milhões de euros, mas sim de 800 milhões. O erro deu-se devido a má interpretação de uma representação gráfica apresentada no site da APS.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado recebeu milhões em impostos pagos em segurados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião