Ter um Mercedes Gullwing nos pés? Justin Trudeau calçou estas meias portuguesas

Heel Tread é uma marca 100% portuguesa que vende para 56 países. Já calçaram Walter Rohl, uma lenda do rally, e até o primeiro-ministro do Canadá. A empresa deve faturar um milhão de euros este ano.

A ideia surgiu no Web Summit quando um dos fundadores, Gonçalo Henriques, reparou que “todos os oradores com cargos mais importantes tinham meias coloridas com padrões“. A partir dessa observação surgiu esta ideia de negócio que demorou seis meses até ser colocada em prática.

Chama-se Heel Tread, é uma marca made in Portugal e dedica-se exclusivamente à produção e design de meias coloridas para o sexo masculino. Gonçalo Henriques, juntamente com o amigo e sócio João Simões, conseguiu aliar os carros, “uma grande paixão” e um negócio em que cada par de meias custa entre oito a os dez euros. Como? Cada modelo é inspirado em modelos de automóveis emblemáticos: por isso, pode ter a seus pés — ou melhor, nos seus pés — um BMW E30 M3, um Porsche 911 RSR, um Golf GTI, um Ferrari F40, um Ford Mustang ou um Audi Quattro, entre muitos outros.

Fundada em dezembro de 2017, as meias portuguesa já calçam pés em 56 países do mundo, o que contabiliza quase 300 mil pares de meias sem costuras vendidos. É também por estes números de crescimento que a empresa espera faturar um milhão de euros este ano, o que representa um crescimento de 300% quando comparado com as vendas do ano anterior.

“As meias coloridas são as sucessoras da gravata em termos de acessório masculino”, explica Gonçalo Henriques, acrescentando que as gravatas têm os dias contados e que o futuro são as meias coloridas.

Os modelos mais vendidos são o do Golf GTI, Porsche 911 RSR, BMW E30 M3, Audi Quattro e Lamborghini Veneno. Gonçalo confidencia que a marca já calçou caras conhecidas como Walter Rohl — uma lenda no mundo dos rally — e até o primeiro-ministro do Canadá. A experiência teve direito a um “obrigado” enviado por carta e assinado pelo próprio Justin Trudeau, agradecendo o par de meias que combinava com o Mercedes Gullwing do seu pai.

Os EUA (25%), Inglaterra (20%), Alemanha (15%), Holanda (5%), França (5%) e Espanha (5%) são os mercados mais importantes para a Heel Tread. Gonçalo Henriques refere que o negócio está a começar a crescer bastante, também no Japão e na Coreia do Sul. Em contrapartida, o mercado nacional representa menos de 5% das vendas. Gonçalo Henrique destaca que em “Portugal existem algumas empresas de consultoria que proíbem este tipo de meias coloridas”.

As meias coloridas são as sucessoras da gravata em termos de acessórios masculinos. A gravata morreu e são as meias coloridas o futuro.

Gonçalo Henriques

Um dos fundadores da Heel Tread

Para além da venda online, a marca disponibiliza as meias inspiradas em ícones da indústria automóvel em sete pontos de venda, de norte a sul do país. A nível mundial estão representados em mais de 50 pontos de venda nos quatro cantos do mundo.

Dos automóveis para o futebol

Após serem desafiados pela Federação Portuguesa de Futebol, a Heel Tread criou quatro pares de meias inspiradas nas camisolas mais emblemáticas da seleção portuguesa. Esta coleção está disponível para homens e mulheres com tamanhos que vão do 36 ao 46. Cada par de meias custa 10 euros. As meias não têm costuras e são compostas por 80% algodão, 17% poliamida e 3% elastano.

Gonçalo Henriques refere com orgulho que esta parceria superou as expectativas e que está a “correr muito bem”, antecipando que poderá ser a escolha para muitos presentes de Natal.

A partir de 16 de setembro as meias coloridas da Heel Tread vão estar à venda no El Corte Inglês em Lisboa e no Porto. Gonçalo Henriques confidenciou ao ECO que a empresa vai lançar no final do ano uma marca mais direcionada ao público feminino e lançar uma coleção de meias mais discretas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ter um Mercedes Gullwing nos pés? Justin Trudeau calçou estas meias portuguesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião