Têxteis são 2% das empresas nacionais, mas empregam 5% dos trabalhadores

  • Lusa
  • 6 Abril 2018

Em 2016, as empresas têxteis representavam 2% do total de empresas, mas empregavam 5% dos trabalhadores. Destas, 70% dedicavam-se ao setor do vestuário.

As empresas têxteis representavam 2% do total de empresas em 2016, mas empregavam 5% dos trabalhadores, segundo o Banco de Portugal, que acrescenta que fecharam mais empresas do que as criadas e que as exportações ajudaram ao crescimento dos negócios.

A análise setorial realizada pelo Banco de Portugal (BdP) para o período 2012-2016 refere que, em 2016, havia em Portugal 6.700 empresas da indústria têxtil e de vestuário que representavam 2% do volume de negócios total.

Ainda assim, em 2016 face a 2015, o número de empresas têxteis e vestuário diminuiu 1,2% e “por cada 10 empresas que cessaram atividade, foram criadas oito empresas”.

O banco central realça que esta situação contrasta com os dois anos anteriores (2015 e 2014), uma vez que então o número de novas empresas tinha ultrapassado o das empresas que fecharam.

Quanto às localidades mais fortes nesta indústria, em 2016, 83% do volume de negócios tinha origem em empresas com sede nos distritos de Braga (58%) ou do Porto (25%). Em Braga, este setor representava mesmo 20% do volume de negócios das empresas aí sediadas.

Ainda sobre o volume de negócios, as empresas têxteis e de vestuário aumentaram a faturação em 6,6% em 2016, face a 2015, o que significa mais do que o conseguido pelas indústrias transformadoras e pelo total das empresas e foi mesmo o valor mais elevado desde 2012.

“O crescimento do volume de negócios em 2016 foi transversal aos segmentos de atividade (8% no “vestuário” e 5% nos “têxteis”). Por classes de dimensão, o volume de negócios aumentou 9% nas Pequenas e Médias Empresas (PME), 2% nas microempresas e 0,5% nas grandes empresas”, diz o Banco de Portugal.

Do volume de negócios, 61% foi conseguido em exportações, acima do valor de 2015.

Também o EBITDA (lucro antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) da indústria dos têxteis e vestuário aumentou 10% em 2016 (2% nas indústrias transformadoras e 7% no total das empresas).

Ainda em 2016, a rendibilidade das indústrias dos têxteis e vestuário ascendeu a 10%, o valor mais alto desde 2012 e pelo terceiro ano consecutivo superior ao do total das empresas (8%).

Quanto à situação financeira, o passivo do setor aumentou 4% entre 2015 e 2016, com a dívida remunerada a representar 47% do passivo do setor.

Já os juros suportados pelo setor diminuíram 14% em 2016, o que diz o Banco de Portugal que conjugado com o aumento do EBITDA “determinou uma redução da pressão financeira”.

Quanto ao crédito dado pelos bancos a empresas da indústria dos têxteis e vestuário, este diminuiu 2,5% entre o final de 2015 e o final de 2016, mas já aumentou 1,1% de 2016 para 2017.

No final de 2017, encontrava-se em incumprimento 11,6% do crédito concedido à indústria dos têxteis e vestuário.

Por fim, quanto ao tipo de empresas, em 2016, o vestuário representava 70% das empresas, 51% do volume de negócios e 67% das pessoas ao serviço do setor, uma situação estabilizada face a anos anteriores.

A maior parte das empresas eram microempresas (59%), ainda assim abaixo do peso destas nas indústrias transformadoras (70%) e do total das empresas (89%). Já as PME pesavam mais neste setor (40%) do que no total das empresas e nas indústrias transformadoras, e tinham 75% do volume de negócios e 77% das pessoas ao serviço.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Têxteis são 2% das empresas nacionais, mas empregam 5% dos trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião