Sonix assegura ativos da têxtil Ricon que entrou em insolvência

A têxtil de Barcelos terá assegurado o arrendamento dos ativos da ex-Ricon, sabe o ECO. O contrato não está ainda assinado, mas a Valérius já está fora das negociações.

Foi a última a chegar à corrida pelos ativos da Ricon, mas ao que tudo indica será a vencedora. Estamos a falar da Sonix, a têxtil de Barcelos que juntamente com o grupo Valérius disputava os ativos da falida Ricon.

Para já, a Sonix terá assegurado o arrendamento das instalações (que era, para já, o que estava em causa), mas a intenção é comprar as instalações e as máquinas à massa insolvente.

O ECO sabe que o processo não está ainda totalmente fechado, estando agora a decorrer os trâmites processuais. As negociações deveriam, aliás, ter terminado a semana passada, como tinha dito ao ECO, o administrador de insolvência da Ricon, Pedro Pidwell, mas segundo fontes próximas ao processo as negociações arrastaram-se.

O ECO tentou falar com Pidwell, mas até à publicação desta notícia não foi possível. Também a Valérius e a Sonix se mostraram indisponíveis para falar sobre o tema.

O grupo Sonix, que anunciou o interesse na têxtil de Famalicão, no início de março, fez saber na mesma altura que já tinha inclusive contratado 120 ex-funcionários da Ricon, com o objetivo de dar seguimento ao projeto.

A Sonix emprega 400 pessoas e tem uma faturação de 60 milhões de euros. Já o grupo Valérius que também estava na corrida aos ativos da ex-Ricon, liderada por Pedro Silva, tem um volume de negócios de 35 milhões de euros e emprega 130 pessoas.

A Ricon entrou em processo de liquidação no final do mês de janeiro, com dívidas superiores a 32 milhões de euros, tendo mandado para o desemprego perto de 800 pessoas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonix assegura ativos da têxtil Ricon que entrou em insolvência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião