Seguro auto pago por utilização vai crescer 20% por ano

  • ECO Seguros
  • 15 Setembro 2019

Já não se trata apenas da distância ou do tempo de condução, também conta como e onde se conduz. Seguradoras europeias estão a avançar.

A Data Bridge Market, consultora especializada, prevê um crescimento médio anual até 2026 de cerca de 20% no volume de negócios dos seguros automóvel pagos por utilização.

Segundo a consultora são muitas as vantagens deste tipo de apólice para as seguradoras: atrai condutores de baixo risco, potencia a lealdade do cliente, reduz custos de sinistros, aumenta o número de oportunidades de contacto com os segurados, possibilita a introdução de novos serviços geradores de receitas e causadores de maior satisfação dos clientes.

A tecnologia é elemento fundamental para se poder estabelecer este novo negócio, daí que quem está a progredir nesta área sejam seguradoras como a Allianz, AXA, Progressive Insurance, Allstate, Desjardins, Generali, MAPFRE, Metromile, Aviva, Admiral Group, Ageas, Liberty Mutual Insurance e Mitsui Sumitomo Insurance. Também empresas de tecnologia como a Octo Telematics, TomTom Telematics ou a IMS – Intelligent Mechatronic Systems se posicionam na liderança desta nova, quanto a grande escala, linha de produtos.

Para a consultora existem já alguns conceitos em pleno desenvolvimento e mesmo em utilização. A segmentação proposta na análise da Data Bridge é como segue:

  • Veículos novos e veículos já a serem utilizados. Este último segmento é o que vai registar maior crescimento: 19% de média anual entre 2019 e 2026.
  • Tipo de pacote do utilizador. Aqui distingue-se uma abordagem PAYD – Pay-as-you-drive, PHYD – Pay-how-you-drive e MHYD – Manage-how-you-drive. O PAYD é o que maior crescimento vai registar: 18,8% em média anual no período 2019-26.
  • Tipo de veículo: Ligeiro (LDV – Light Duty Vehicle) ou pesado (HDV – Heavy Duty Vehicle). O segmento LDV é o que mais cresce em média anual no período estimado: 18,8%.
  • As bases tecnológicas que viabilizam o negócio são: OBD II (GPS), smartphone, sistema embedded (incorporado no aparelho, é a que mais cresce no mercado), caixa negra, existindo outros.
  • O tipo de veículos analisados são essencialmente os híbridos (HEV – Hybrid Electric Vehicle), os elétricos plug in (PHEV) e os totalmente elétricos BEV ( Battery Electric Vehicle), sendo este o segmento que mais cresce em média anual entre 2019 e 2026: 19,3%. Os ICE – Internal Combustion Engine (ICE), motores clássicos alimentados por derivados de petróleo, já começam a escapar a estas análises.

Os avanços tecnológicos estão a revelar-se essenciais para o desenvolvimento destes novos produtos seguradores e as companhias líderes estão a avançar rapidamente, conclui a consultora.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguro auto pago por utilização vai crescer 20% por ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião