Retrete de ouro roubada. Ninguém sabe quem vai pagar

  • ECO Seguros
  • 16 Setembro 2019

Vale 4,8 milhões de libras e foi roubada de um palácio a 100 km de Londres. A Polícia espera recuperá-la mas ainda não se sabe se existe uma apólice de seguro adequada e quem a fez.

É uma das retretes mais conhecidas em todo o mundo. A peça, totalmente em ouro, foi roubada este fim de semana do palácio de Blenheim, em Oxfordshire. Além dos 4,8 milhões de libras em que estava avaliada, há mais alguns milhares em estragos que terão de ser reparados, mas, até agora, ninguém sabe quem vai assumir responsabilidades. Não se sabe quem é seguradora, nem se a famosa retrete estava adequadamente segurada.

Para começar, foi confirmado por um elemento da polícia local ao Insurance Times que “houve danos significativos em materiais e em resultado da inundação que se seguiu”. A peça estava absolutamente funcional, ligada às normais canalizações do edifício.

“America”, uma instalação do artista italiano Maurizio Cattelan, A peça na imagem, que estava funcional, foi roubada de um palácio perto de Londres, provocando significativos danos e uma inundação.

 

O segurador e o teor da participação do sinistro ainda são desconhecidos, mas depreende-se que haverá, para começar, lugar a indemnização no âmbito de uma cobertura multiriscos ou similar.

Na verdade, a peça estava em exposição no palácio, uma vez que se trata de uma instalação artística designada “America” e realizada pelo artista italiano Maurizio Cattelan em 2016. Habitualmente presente no museu Guggenheim, tinha sido cedida para uma exposição no Palácio que tinha começado dois dias antes de, na noite de sábado para domingo passado, um grupo de indivíduos em pelo menos dois carros ter perpetrado o furto.

O detetive da Thames Valley Police, encarregado da investigação, afirmou mesmo que “quando se mostra a melhor arte para a audiência para a qual é feita, toma-se um risco e quase sempre vale a pena tomar esse risco”, concluindo que tem esperança de recuperar “esta preciosa peça de arte”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Retrete de ouro roubada. Ninguém sabe quem vai pagar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião