BRANDS' ECOSEGUROS Blockchain nos Seguros

  • ECOseguros + EY
  • 26 Setembro 2019

Jorge Ferreira, Manager, Assurance Financial Services, EY, fala dos muitos desafios que as empresas do setor segurador têm enfrentado nos últimos anos.

São muitos os desafios que as empresas do setor segurador têm enfrentado nos últimos anos que vão desde a crescente competitividade, às exigências das entidades reguladoras e clientes, passando pela gestão de sinistros e a fraude.

A esta lista junta-se um novo desafio a “disrupção tecnológica” e a forma como esta poderá criar valor junto da empresa, considerando a estratégia de implementação de tecnologias inovadoras no negócio segurador.

Têm sido várias as questões levantadas pelos CEO ´s das principais empresas de seguros:

– A tecnologia disruptiva pode atuar como uma oportunidade para aumentar a vantagem competitiva?
– Como é que a empresa vai lidar com a transformação digital?
– Estamos preparados e acreditamos no futuro digital?

Para ajudar a responder a estas questões vamos analisar o potencial da aplicação da tecnologia blockchain no setor segurador.

Resumidamente o blockchain é uma base de dados que integra um crescente número de registos. A base de dados armazena registos em blocos em vez de agrupá-los num único arquivo. Cada bloco é então “encadeado” para o próximo bloco, em ordem cronológica, usando uma assinatura criptográfica.
Como resultado, qualquer tentativa de alteração de registos é visível para todos os participantes. Estes registos podem ser partilhados por qualquer pessoa/ empresa por vários países, sites e instituições com as devidas permissões.

Imaginemos então uma base de dados global de acesso seguro a todos os stakeholders numa operação de contrato de seguro. Esta base de dados permitirá que:

– Os sinistros sejam pagos em horas em vez de meses/ anos;
– Os prémios pagos em tempo real;
– Os brokers estejam mais focados no cliente e menos em questões administrativas;
– As seguradoras rastreiam as suas exposições em tempo real.

Acreditamos que esta tecnologia transformará o modo como as empresas gerem o risco em toda a organização e a forma como trabalham com os corretores, seguradoras e resseguradoras. Numa fase inicial as empresas, em geral, terão eficiências ao nível dos custos, criando mais oportunidades para inovação de produtos e uma gestão de capital mais eficiente. No caso particular das seguradoras, os benefícios também são significativos já que a tecnologia poderá permitir uma visão clara dos riscos a que estas estão expostas, apoiar na criação de serviços e produtos personalizados, otimizar os fluxos de receita de novos produtos e tornar o processo de gestão de sinistros mais eficiente.

 

Podemos ser levados a pensar que se trata de um futuro longínquo mas desenganem-se. Esta mudança já está em curso. Exemplo disso é a criação pela EY de uma plataforma inédita de blockchain de seguro marítimo que conecta digitalmente os principais stakeholders na cadeia de valor de seguros quase em tempo real.

Considerando o enorme potencial desta tecnologia, torna-se inevitável que a mesma seja considerada pelas Seguradoras e seus parceiros na sua estratégia digital. A sua adoção num mundo digital, onde a informação é gerida e analisada ao segundo, será um enorme desafio para as empresas de seguros que implicará, dentre outros aspetos, uma mudança de paradoxo nos modelos operacionais e de gestão existentes, por forma a manterem-se relevantes num mercado altamente concorrencial.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Blockchain nos Seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião