BRANDS' ECOSEGUROS Proteção do Rendimento para Pessoas-Chave

  • ECO Seguros
  • 1 Outubro 2019

Tiago de Jesus Vieira, Executive Director da Aon Portugal, explica como proteger a capacidade para trabalhar e o rendimento em caso de doença ou acidente.

Falar de Proteção é, hoje, essencial. Falar de Proteção do Rendimento é indispensável

A variedade de produtos de Proteção do Rendimento disponíveis no mercado nem sempre facilita a escolha por parte dos beneficiários, mas a Aon tem os argumentos certos para ajudar na decisão.

Em caso de doença ou acidente, proteger um dos bens mais preciosos dos trabalhadores liberais – a capacidade para trabalhar – e garantir o seu rendimento nestes casos é fundamental.

 

Profissionais Liberais, Trabalhadores Independentes ou Empresários em Nome Individual: são vários os nomes dados a quem trabalha no mundo das profissões liberais. Ser um Profissional Liberal em Portugal apresenta, hoje, vários desafios. Além da componente fiscal e das exigências processuais, a importância de manter o negócio ou atividade profissional em crescimento, sobretudo no atual ambiente volátil em que a sociedade se move, exige o máximo de proteção.

A pensar nestes desafios, alavancados pelas flutuações económicas e pela incerteza política e social, a Aon disponibiliza ao mercado uma solução, em parceria com a AIG, designada de Plano de Proteção Rendimentos, que visa minimizar o impacto nos rendimentos que decorrem da impossibilidade de exercer a sua atividade, em caso de doença e acidente.

Em caso de doença ou acidente da Pessoa Segura a Aon garante, assim, um rendimento mensal mínimo garantido de 600€/mês até 24 meses. Com um prémio a partir de 16€/mês, este plano inclui ainda:

 

  1. Indemnizações com capital reforçado, em caso Falecimento ou Invalidez Permanente;
  2. Aplicabilidade em todo o mundo, 365 dias por ano, 24 horas por dia;
  3. Coberturas adicionais de âmbito alargado.

 

Esta solução é dirigida a Trabalhadores Independentes, Profissionais Liberais e Trabalhadores por Conta de Outrém que aufiram remunerações variáveis. Entre as profissões mais expostas a este risco estão os Advogados, Engenheiros, Arquitetos, Médicos, Auditores, Consultores, Contabilistas, entre outros.

Para subscrever este produto ou obter mais informações, contacte a Aon através:

 

  1. E-mail: suporte.seguros@aon.pt
  2. Linha de Apoio: 808 50 50 70 (dias úteis: das 9h às 13h e das 14h às 17h)

 

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Proteção do Rendimento para Pessoas-Chave

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião