BRANDS' PESSOAS Corresponsabilização: a grande tendência de recursos humanos

  • BRANDS' PESSOAS
  • 2 Outubro 2019

Valorizar o talento e a individualidade de cada colaborador já não chega. Na era digital, corresponsabilizar é a palavra de ordem. Só assim é possível envolver.

O ativo mais precioso de qualquer empresa é o humano. É ele o motor das organizações e dele depende a produtividade, a rentabilidade, a competitividade e a sustentabilidade.

Essa perceção está a generalizar-se nas empresas e, em função disso, a gestão dos recursos humanos está cada vez mais enraizada em políticas de valorização das pessoas. Mas, valorizar não passa apenas pelas políticas de remuneração praticadas nas empresas. Corresponsabilizar é envolver, é demonstrar confiança, e é valorizar cada colaborador, dando-lhe espaço e autonomia para desempenhar as suas funções. E o grande impulsionador da corresponsabilização é a tecnologia.

O papel da tecnologia na corresponsabilização dos colaboradores

Com a entrada da geração millennial no mercado de trabalho, a facilidade de acesso à informação passou a ser um requisito quase obrigatório nas organizações. Hoje, a generalidade dos colaboradores passou a valorizar a disponibilidade da informação em tempo real e em qualquer lugar, e essa “hiperconetividade” é já um fator de diferenciação no momento de escolher onde pretendem desempenhar as suas funções.

As empresas precisam de estar atentas a esses detalhes, que na verdade são fatores de diferenciação. Hoje os colaboradores apreciam a autonomia e a possibilidade de realizar as ações onde, quando e como muito bem entenderem. Disponibilizar um portal do colaborador é a solução certa para proporcionar essa mobilidade, acessibilidade e disponibilidade permanente da informação.

Promover a autonomia através de um portal do colaborador

Um portal do colaborador é uma excelente ferramenta tecnológica para promover a autonomia dos colaboradores, a produtividade do departamento de recursos humanos, o foco dos líderes de equipas e a corresponsabilização de todos. É nesta responsabilidade tripartida que reside a corresponsabilização: cada colaborador é responsável por aceder, registar e atualizar a informação que lhe diz respeito; o líder da sua equipa aprova e o departamento de recursos humanos acede à informação e faz a sua gestão global.

Apesar de estarem três intervenientes identificados neste processo, a operação é muito simples. Quando o colaborador introduz novos dados (como uma falta, por exemplo), o seu coordenador recebe uma notificação e aprova. A informação é integrada automaticamente no sistema de payroll e o recibo de vencimento do referido mês já terá esse acerto refletido no processamento salarial.

Além de garantir um maior foco dos gestores de equipas, esta tecnologia contribui para a redução da carga administrativa dos departamentos de recursos humanos, para o rigor da informação e para a rastreabilidade dos dados.

Soluções como o OMNIA Employee ou o ERP Mobile, desenvolvidas pela PRIMAVERA, atuam na promoção de uma atmosfera colaborativa assente na corresponsabilização. As pessoas passam a ter autonomia na consulta de informação contratual, na atualização e inserção de informação pessoal, no registo de despesas, férias, ausências ou horas extras. Aceder ao estado do processamento de vencimento, consultar recibos ou a Declaração Anual de Rendimentos, mapas comparativos de valores auferidos, meios de pagamento utilizados, descontos e contribuições, entre outro tipo de informação contratual, torna-se rápido.

Desta forma, com apenas alguns cliques e em qualquer lugar, qualquer colaborador pode criar, aceder e partilhar informação corporativa. Isto, principalmente num contexto colaborativo, estimula a envolvência, impulsiona os processos de gestão, agiliza a troca de informação e incrementa a produtividade das empresas.

O OLX Group Portugal é um exemplo de uma organização que já entrou em pleno na era digital e apostou em ferramentas tecnológicas para agilizar a gestão de recursos humanos. Veja este caso de sucesso.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Corresponsabilização: a grande tendência de recursos humanos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião