BRANDS' PESSOAS KPI e métricas ao serviço da produtividade na gestão de RH

  • BRANDS' PESSOAS
  • 2 Outubro 2019

Ajustar os KPI e as métricas de gestão à obtenção do real potencial das equipas é a melhor forma de aumentar os índices de produtividade das empresas. Saiba como.

A globalização chegou e, com ela, a pressão para uma rápida adaptação. A verdade é que as empresas de hoje não são as empresas de ontem. Atualmente, produzir de forma eficaz significa encarar as organizações de forma integral, tendo em consideração todas as áreas que as compõem.

Para conduzir as organizações no sentido da produtividade é importante definir linhas de orientação e analisar a performance, com vista a evitar eventuais percalços na trajetória. Neste sentido, é crucial mudar a ótica que tem vindo a circunscrever o planeamento estratégico das organizações.

Ir além do marketing e das vendas – potenciar os RH

A tendência atual dita a frequente adoção de motivações externas para justificar as métricas utilizadas no planeamento estratégico. De forma geral, isto significa que, na grande maioria dos casos, são considerados aspetos que envolvem os resultados das ações de marketing e o aumento do número de vendas. Obviamente que esta tendência tem fundamento porque, afinal, o objetivo de qualquer estratégia empresarial é avolumar a faturação.

Contudo, é importante não esquecer que o aumento dos níveis de produtividade está sempre dependente da performance dos recursos humanos. Eles são a maior fonte de rendimento das empresas e, por isso, é crucial realizar uma boa gestão das pessoas.

Para o fazer, podem ser utilizadas as chamadas métricas de gestão. Estas métricas dizem respeito a todos os dados relacionados com os recursos humanos e que são passíveis de análise. No entanto, quando ganham relevância no contexto da análise de dados, sendo fundamentais para a tomada de decisão, as métricas passam a ser KPI (Key Performance Indicators) ou, em português, indicadores-chave de performance. Obviamente que estes indicadores devem estar devidamente alinhados com a estratégia da gestão e ser de fácil quantificação e medição.

Os KPI mais utilizados pela gestão dos recursos humanos são, geralmente, aqueles que estão relacionados com o absentismo, as reclamações, os acidentes de trabalho, com a formação e respetivos custos, com os índices de rotatividade do capital humano ou com os indicadores de produtividade obtidos na comparação dos custos totais que as organizações têm com salários em relação à receita bruta. Assim, considerar estes valores é uma forma de identificar e resolver eventuais problemas como a sobrecarga de trabalho, falhas no processo de integração, incumprimento das responsabilidades, conflitos organizacionais, doenças ocupacionais, entre muitos outros.

Ora, averiguar métricas e indicadores chave de desempenho (KPI) torna-se mais simples com a implementação de sistemas de gestão, capazes de integrar e disponibilizar informação com rigor e prontidão.

Perder tempo com a criação de relatórios é coisa do passado. Um sistema de gestão pode minimizar e otimizar os processos relacionados com a recolha de dados, quando devidamente integrados com subsistemas como o PRIMAVERA Office Extensions (POE). Desta forma, toda a informação pertinente à gestão dos recursos humanos passa a estar disponível aos gestores, numa questão de segundos.

Com o POE, em particular, esta informação pode ser trabalhada diretamente no Microsoft Excel e analisada com rigor. Por ser de fácil integração, a solução da PRIMAVERA BSS, disponibiliza a informação sempre atualizada e em conformidade com a visão estratégica das empresas.

Implementar este tipo de soluções para a gestão permite realizar análises que identificam as variáveis de risco no que respeita os RH e, ao mesmo tempo, desenvolver estratégias adaptadas à situação real das organizações incrementando os índices de produtividade e a criação de valor, de uma forma eficaz e sem perder tempo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

KPI e métricas ao serviço da produtividade na gestão de RH

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião