Rio admite ficar à frente do PSD. “Depende das circunstâncias”, diz

  • ECO
  • 4 Outubro 2019

Sondagens atribuem vitória ao PS de António Costa, mas o presidente do PSD ainda vai avaliar se a derrota o levará ou não a abandonar a liderança do partido.

Rui Rio ainda vai avaliar se fica ou não à frente do PSD após as eleições legislativas do próximo domingo. As sondagens atribuem vitória ao PS de António Costa sem maioria absoluta. O lugar de Rio ficará dependente da estabilidade da solução governativa encontrada, segundo noticia esta sexta-feira o Observador (acesso pago).

“Depende dos resultados e das circunstâncias”, afirmou Rui Rio, quando questionado pelo Observador sobre o futuro da liderança do PSD. Rio explicou que, após a noite eleitoral, irá avaliar e “olhar para o xadrez que sair dali”, ou seja, se o PS afinal consegue a maioria ou quais as opções para ter apoio da maioria do Parlamento.

Fonte do partido explicou ao jornal que “tudo depende da maior ou menor fragilidade que a solução de Governo possa revelar no médio prazo“. Quanto menor a estabilidade do Executivo que seja formado, mais provável que Rio fique.

O social-democrata começou já a desenhar o que poderá acontecer consoante os vários resultados possíveis. “Se eu ganhar, não há cenários”, explicou sobre o resultado menos provável. “Se tiver 15%, é fácil, não tenho de pensar nada; se tiver 20% também não tenho de pensar muito”, afirmou, apontando para a percentagem de votos que o levar a abandonar o cargo.

As últimas sondagens realizadas atribuem entre 27% e 28% das intenções de voto ao PSD. Nesse caso não falou, mas várias fontes sociais-democratas disseram ao Observador que a partir dos 26% já é possível a Rui Rio ter poder dentro do partido. Os 28% garantem que o presidente pode ir à luta e 30% é visto como uma vitória.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio admite ficar à frente do PSD. “Depende das circunstâncias”, diz

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião