Dos 8,5% aos 44,1%. Vem aí novo recorde de abstenção nas legislativas?

A falta de participação em eleições não é de agora. Mas nos anos mais recentes tem-se agravado. Na última década mais de quatro em cada 10 eleitores não vota na hora de escolher quem governa.

 

Autocolante da campanha da CNE para as eleições legislativas de 1995. Nesse ano, a taxa de abstenção chegou aos 33,8%, um novo recorde à data.

 

“Vote como quiser…mas vote!”. “Ponha o vestido mais bonito ou tire o fato do armário. Não se abstenha de cumprir o seu dever. Dê valor à sua região”. Estes são apenas dois slogans das campanhas que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) faz há anos de combate à abstenção nos vários atos eleitorais.

O problema da falta de participação em eleições não é de agora. Mas nos anos mais recentes tem-se agravado. Na última década mais de quatro em cada 10 eleitores não vota na hora de escolher quem vai governar Portugal.

As eleições para a Assembleia da República são vistas como as mais importantes. Afinal de contas é nesse dia que são escolhidas as pessoas que vão fazer as leis nos próximos quatro anos e as que terão o poder executivo nas mãos.

Neste ano, a taxa de abstenção atingiu 35,6%, baixando face ao ano anterior, quando tinha chegado a 38,4%.

 

Em 1975, nas primeiras legislativas depois do 25 de abril, apenas 8,5% dos eleitores não foi às urnas. Esta é a taxa de abstenção mais baixa da história dos 15 atos eleitorais para a Assembleia da República em Portugal. Olhando para a série longa desta taxa é possível verificar que a partir de 1980 a abstenção tem crescido sempre com exceção das legislativas de 2002 e 2005. A situação agravou-se determinantemente a partir de 2009, quando os governos passaram a ser escolhidos com taxas de abstenção acima de 40%.

E nestas eleições? O que pode observar-se? Ao contrário do que aconteceu nas europeias de maio, o tema da abstenção não foi dos mais falados nesta campanha. Mas há um dado novo que pode baralhar as coisas. É que ainda antes das eleições para o Parlamento Europeu foi feita uma atualização aos cadernos eleitorais que elevou o número de eleitores residentes no estrangeiro dos cerca de 240 mil para quase 1,5 milhões. Se as taxas de abstenção entre os emigrantes se mantiverem próximas dos registos anteriores, a taxa de abstenção dispara só por este efeito. Foi o que aconteceu nas eleições europeias de maio, quando a taxa de abstenção atingiu um recorde em Portugal (68,6%). Mas, mesmo assim, votaram mais 30 mil eleitores do que nas últimas europeias.

Rui Feijó, investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, defendeu num programa da Antena 1 que a atualização dos cadernos eleitorais — que tinha como objetivo aumentar a participação dos cidadãos — não chega para garantir uma redução da abstenção. “Não lhes demos condições de votar”, disse, contando saber do caso de uma portuguesa nos EUA que nas europeias tinha de viajar de avião durante duas horas para se deslocar à cidade onde podia exercer o voto.

Nestas regionais, o apelo ao voto não evitou uma taxa de abstenção de 46,7%, acima dos 40,83% registados quatro anos antes.

 

Além desta medida, o Governo encontrou outra solução para tentar aumentar a participação dos eleitores, ao dar a qualquer um a possibilidade de votar antecipadamente num dia fixo. Uma opção que antes só estava ao alcance de alguns como por exemplo doentes internados em hospitais ou presos. Mais de 56 mil pessoas pediram para votar antes de domingo. E a taxa de abstenção entre estes foi de apenas 10,04%.

Mas além destes motivos — mais logísticos — existem outros muitas vezes associados à baixa taxa de participação em atos eleitorais, como são exemplos o afastamento que os cidadãos sentem em relação ao poder político. Um dos grupos que mais tem sido referido sempre que se fala nesta desmotivação é dos jovens. No último Eurobarómetro feito antes das eleições europeias apenas 3% dos jovens portugueses com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos disseram ser “extremamente provável” irem votar naquelas eleições.

Cientes destas razões, os partidos têm usado as campanhas para incentivar o voto, quer através das mensagens políticas, quer através dos próprios programas eleitorais.

Uma das formas que recorrentemente tem sido referida para baixar a taxa de abstenção passa pela imposição do voto obrigatório. A regra existe noutros países, como são exemplo Austrália, Bélgica, Luxemburgo, Grécia e Brasil. Portugal já teve, mas nunca existiu no pós-25 de Abril.

Mas existem soluções já testadas, menos complexas, e que podem ajudar a reduzir a taxa de abstenção. Uma delas passa, por exemplo, por votar aos dias de semana em vez de ao domingo. Na Holanda e no Reino Unido as eleições são à quinta-feira. Nas eleições para o Parlamento Europeu, 41,93% dos holandeses votaram, acima dos 30,75% registados em Portugal.

Evolução da taxa de abstenção em eleições legislativas

Fonte: Pordata

Numa mensagem ao país de cerca de cinco minutos transmitida este sábado, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, repetiu o apelo que já tinha feito nas eleições europeias, e pediu aos portugueses que votem: “parece justo e mesmo urgente”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dos 8,5% aos 44,1%. Vem aí novo recorde de abstenção nas legislativas?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião