CEO da MetLife louva em Espanha solução testada em Portugal

  • ECO Seguros
  • 7 Outubro 2019

Oscar Herencia divulgou para o público espanhol um serviço pioneiro lançado em Portugal na rede de agências e que será exportado para outros países.

O vice-presidente do Sul da Europa e CEO na região ibérica da MetLife, Oscar Herencia, destacou, num encontro com jornalistas em Espanha, o êxito, em Portugal, de um projeto pioneiro nos seguros desenvolvido por uma startup de Singapura e que usa a geolocalização e tecnologias de inteligência artificial.

Trata-se de um serviço de “uberização de seguros” desenvolvido pela Lucep e que permite que o agente mais próximo do cliente entre em contacto com ele. “É um serviço pioneiro no setor dos seguros” que se lançou em Portugal com grande êxito entre a rede de agências e que será exportado para outros países, afirmou Herencia.

Este foi um dos exemplos dados pelo CEO da Iberia para demonstrar a cultura de inovação que existe na MetLife. A companhia tem vindo a investir em projetos de inovação digital como o MetLife Digital Ventures, MetLife Digital Accelerator e o Lumenlab, o centro de inovação da companhia em Singapura.

Segundo Oscar Herencia, a inovação e a digitalização são chaves relevantes para o presente e futuro da companhia. “O conhecimento e a tecnologia das startups ajuda-nos a acelerar os nossos processos que são, como em todas as companhias multinacionais, um pouco lentos”, afirmou.

Apesar de a MetLife ter sempre os “olhos bem abertos” sobre possíveis investimentos ou fusões com outras companhias, o responsável considera que não está prevista nenhuma operação no curto prazo.

A MetLife foi fundada em 1868, nos EUA, e chegou a Portugal em 1985. Em mais de 30 anos de presença no nosso país a seguradora afirma que investiu mais de 10 milhões de euros para cumprir os compromissos que tem com os seus clientes. Com presença em mais de 50 países, tem 49 mil colaboradores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CEO da MetLife louva em Espanha solução testada em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião