PS e BE vão continuar a negociar. Catarina Martins tenta incluir medidas do Bloco no Programa de Governo

António Costa e Catarina Martins vão continuar a negociar. Ambos ainda tentam uma solução que passa por um acordo mais sólido. Primeiro-ministro indigitado espera conclusões na próxima semana.

O PS e o Bloco de Esquerda vão continuar a negociar uma solução que dê estabilidade política para a próxima legislatura. António Costa quer conclusões na próxima semana. Catarina Martins diz que partidos trabalham para ver se é possível incluir medidas dos bloquistas no Programa de Governo.

“Foi uma reunião muito produtiva que permitiu avaliar condições de trabalho para a próxima legislatura”, disse António Costa no final da reunião que teve com o Bloco de Esquerda. “Convergimos quanto à vontade de prosseguir”, assinalou, adiantando, porém, que, quanto aos “modos concretos para trabalhar em conjunto, vamos continuar a avaliar nos próximos dias“.

Ou seja, o que vai ser definido até “à próxima semana” é o “grau de compromisso que podemos ter”, explicou o líder do PS, adiantando que foram identificados os pontos de convergência, divergência e os pontos em que é preciso trabalhar.

Costa falou ainda sobre o calendário esperado para os próximos dias, apontando para “se tudo correr bem, na melhor das hipóteses, a Assembleia da República toma posse a 21 ou 22 de outubro” pelo que o novo Executivo tomará posse no dia seguinte.

Catarina Martins falou também aos jornalistas no final do encontro, tendo dito que “o Bloco de Esquerda apresentou uma proposta de caminho para entendimento que possa ser plasmado no Programa de Governo”. Caso este cenário não seja possível, o Bloco admite negociar legislação e Orçamentos.

“Queremos aprofundar o que foi feito”, disse a líder do Bloco, acrescentando que o partido “também não fecha a porta negociar medidas de Orçamento do Estado e de legislação essencial ao país.

Catarina Martins não quis adiantar mais detalhes quanto às matérias que estão a ser negociadas e, nomeadamente, se houve alguma que tenha sido rejeitada à partida, embora na noite eleitoral tenha avançado quais os pontos principais que os bloquistas destacam nestas negociações, como a nacionalização dos CTT.

(Notícia atualizado às 20:18)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS e BE vão continuar a negociar. Catarina Martins tenta incluir medidas do Bloco no Programa de Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião