Uma experiência multissensorial a partir de um salão de chá

No século XX, a Ladurée ganhou reconhecimento ao criar o primeiro "double decked macaron" preenchido com ganache de chocolate. O sucesso foi imediato e ainda hoje é utilizada a receita original.

Os famosos macaron coloridos e a decoração de época são a melhor expressão da marca Ladurée no mundo, a famosa pastelaria de luxo francesa criada em 1862 por Louis Ernest Ladurée no número 16 da Rue Royale, em Paris. Começou por ser uma padaria, mas acabou por ser transformada em pastelaria e salão de chá, como consequência das mudanças políticas e socioeconómicas que se fizeram sentir em toda a Europa, no início do novo século. Mas o reconhecimento da marca e dos seus produtos só ganharam verdadeiramente notoriedade com Pierre Desfontaines, quando em meados do século XX, cria o primeiro double decked macaron preenchido com um ganache de chocolate. O sucesso foi tal que ainda hoje é utilizada a receita original.

Atualmente a marca pertence ao grupo Holder, de David Holder e a Portugal chegou com a Amorim Luxury, grupo que acrescentou a visão de uma experiência multissensorial. “Inspirado nos salões de chá do século XVIII e nas soirées de Marie Antoinette, o salão de chá e restaurante Ladurée une a essência da marca com a decoração da época, refletindo a arquitetura dos deslumbrantes châteaux e villas francesas. Com um conceito único de food meets fashion, o salão de chá encontra-se ligado à Fashion Clinic de senhora onde é possível encontrar uma experiência multissensorial num espaço elegante, feminino e acolhedor” explica Miguel Guedes de Sousa, CEO do Grupo Amorim Luxury.

Nos tons rosa, verde e cinzento com motivos florais, que fazem parte da identidade da marca, “destacam-se os azulejos tipicamente portugueses e os candeeiros primaveris”. O espaço foi criado pelo arquiteto catalão Lázaro Rosa Violán e “convida não só aos sabores doces da confeitaria francesa, mas também às famosas viennoiseries e refeições mediterrânicas” acrescenta Miguel Guedes de Sousa.

Segundo a Amorim Luxury, a marca tem vindo a ganhar cada vez mais seguidores no mercado nacional. “O macaron e as sobremesas continuam a ser os produtos com maior procura, mas as refeições, tal como o brunch e os almoços têm sido cada vez mais procurados. A nível de clientes, a Ladurée atrai um mix de portugueses e turistas sendo de destacar clientes dos Emirados Árabes Unidos, Russos e Brasileiros” revela o responsável, acrescentando que se trata de uma oferta “diversificada e premium que aposta na qualidade dos ingredientes, know-how de pastelaria francesa, cuidado com o empratamento e a atenção ao serviço”.

Para continuar a conquistar um cliente que aprecia doces surpresas, a marca revela que está “constantemente a apresentar novidades em loja desde caixas de macarons – muitas vezes temáticas – até artigos de lifestyle. No entanto, são as sobremesas as novidades mais esperadas. Tal como na moda, a Ladurée apresenta sobremesas sazonais que variam conforme a estação, apresentando sabores mais leves e frutados nos meses mais quentes e sabores mais consistentes nos meses mais frios”.

Por detrás da confeitaria Ladurée em Portugal, está o premiado chef de pastelaria Joaquim de Sousa que prepara diariamente as diferentes propostas, com todo o rigor e seguindo os níveis de qualidade da marca, na fábrica por baixo do restaurante na Avenida da Liberdade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uma experiência multissensorial a partir de um salão de chá

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião