Insurance Europe recusa seguro obrigatório para ciberataques

  • ECO Seguros
  • 14 Outubro 2019

A associação empresarial europeia que reúne 37 países considera que quem for forçado a comprar o seguro para cobrir riscos cibernéticos tenderá a não implementar as medidas de proteção adequadas.

Um relatório publicado na semana passada pela Insurance Europe, federação de associações de seguros de 37 países, defende que não deve existir na Europa um seguro obrigatório contra os riscos de cibertataques. O documento destaca o papel-chave da indústria seguradora para apoiar a União Europeia nos seus esforços de aumentar a cibersegurança e a competitividade.

Um seguro obrigatório contra riscos de ciberataques seria contraproducente para seguradoras e consumidores pois, entre outras razões, “quem for forçado a comprar o seguro tenderá a não implementar as medidas de proteção adequadas e os prémios seriam elevados devido à falta de um mercado competitivo em diversos estados-membros da União e custos administrativos adicionais derivados de sistemas obrigatórios”.

O documento, intitulado “Insurers’ role in EU cyber resilience”, destaca também o relevante papel da indústria seguradora no apoio à União para responder aos ciberataques pois “garantem a continuidade do negócio, ajudando as empresas recuperar rapidamente, aumentam a consciencialização dos cidadãos e das empresas para os riscos a que estão expostos e apoiam os responsáveis políticos europeus e nacionais sobre a melhor forma de mitigar os riscos”.

A Insurance Europe pede aos estados-membros da União Europeia que atuem para aumentar a cibersegurança e defendem que é relevante disponibilizar os dados sobre incidentes registados nesta área e uma cooperação público-privada em matéria de riscos catastróficos.

Além de não defenderem um seguro obrigatório para os ciberataques, o que os responsáveis políticos também não devem fazer é “introduzir uma standardização prematura” pois pode prejudicar tantos os clientes como as seguradoras.

A Insurance Europe é uma federação de associações empresariais do setor de 37 países, entre eles Portugal representado pela APS – Associação Portuguesa de Seguradores. Presidida desde o ano passado pelo austríaco Andreas Brandstetter, que também é o número um da UNIQA Insurance Group, a Insurance Europe representa, no conjunto dos seus associados, 950 mil profissionais, cerca de 1022 mil milhões de euros de prémios e 10200 mil milhões de euros de investimentos, estimando que os seus membros diretos e indiretos sejam responsáveis por 95% dos negócios na Europa entre seguradoras, resseguradoras, mútuas e PME’s.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Insurance Europe recusa seguro obrigatório para ciberataques

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião