EDP Renováveis aumenta produção de eletricidade em 6% até setembro

  • Lusa
  • 15 Outubro 2019

Empresa liderada por Manso Neto beneficiou do reforço da capacidade instalada e do recurso eólico estável.

A EDP Renováveis aumentou em 6% a produção de eletricidade até setembro para os 21,9 Terawatt-hora) (TWh), beneficiando do reforço da capacidade instalada e recurso eólico estável, anunciou em comunicado a empresa liderada por Manso Neto.

No comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDP Renováveis destaca que na Europa, apesar da desconsolidação de 997 megawatt (MW) em julho, a geração aumentou 4% face ao período homólogo, dado o superior recurso eólico. Também na América do Norte, a produção aumentou 4% para 12,1 TWh, refletindo a capacidade adicional em operação.

Já no Brasil, a produção disparou 50% nos primeiros nove meses do ano para 1,3 TWh, devido à adição de nova capacidade.

Até setembro, as operações na Europa, América do Norte e Brasil geraram 39%, 55% e 6% do total da produção.

No final do terceiro trimestre, a EDPR geria um portfólio de 10,8 gigawatt (GW) em 11 países: 4,5 GW na Europa (2,1 GW em Espanha, 1,2 GW em Portugal e 1,3 GW no resto da Europa), 5,8 GW na América do Norte e 0,5 GW no Brasil.

Ao longo do ano, a empresa liderada por Manso Neto construiu 344 MW, dos quais 145 MW na Europa (29 MW em Espanha, 47 MW em Portugal, 19 MW em França e 50 MW em Itália), e 199 MW nos EUA, relativo ao parque eólico Prairie Queen.

Em contrapartida, até setembro, a subsidiária do grupo EDP pôs em marcha o processo de alienação de ativos, tendo concluído a venda da sua participação num portfolio de 997 MW na Europa (348 MW em Espanha, 191 MW em Portugal, 388 MW em França e 71 MW na Bélgica, 491 MW líquidos para a EDPR).

“Em setembro de 2019 a variação líquida consolidada do portfólio da EDPR foi de -836 MW face a dezembro de 2018”, refere.

A Energias de Portugal, S.A. (EDP) é a maior acionista da EDP Renováveis, que tem sede em Madrid e está cotada na bolsa de Lisboa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP Renováveis aumenta produção de eletricidade em 6% até setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião