OK! sextuplicou carteira de veículos elétricos em dois anos

  • ECO Seguros
  • 17 Outubro 2019

O seguro para veículos exclusivamente elétricos da OK! Teleseguros dá resposta às restrições de autonomia que a utilização desta energia ainda causa aos utilizadores.

A Ok! Teleseguros, seguradora online do grupo Fidelidade, aumentou a sua carteira de veículos elétricos seguros cerca de 500% desde que, em junho de 2017, lançou o OK! Auto Elétricos. Segundo a companhia este foi o primeiro seguro automóvel do mercado exclusivo para veículos 100% elétricos, não divulgando o volume de contratos de que dispõe atualmente.

Susana Abelha, Diretora de Marketing e Qualidade da OK! teleseguros, refere que “o seguro OK! Auto Elétricos oferece um desconto exclusivo, um percentual sobre a tarifa do seguro automóvel”, já os híbridos “recebem o mesmo tratamento que os veículos com motores convencionais”.

Para além disso, – acrescenta a gestora – oferece parcerias e garantias adicionais adaptadas às necessidades destes veículos, como é o caso do reboque até ao posto de carregamento rápido mais perto do local onde a viatura se encontra, proteção dos cabos de carregamento, preços mais vantajosos no aluguer de viaturas convencionais a combustão.

Estes descontos em empresas de rent-a-car selecionadas foram introduzidos “por fazer sentido quando os clientes percorrem mais quilómetros para se deslocarem, por exemplo, para os seus destinos de férias” – diz Susana Abelha – pelo menos “enquanto a autonomia dos veículos elétricos se mantiver nos limites atuais”, conclui.

A apólice prevê ainda descontos em produtos e serviços relacionados com mobilidade sustentável, nomeadamente, carregadores domésticos, kits fotovoltaicos e scooters elétricas.

Na carteira da OK! teleseguros, os modelos que mais numerosos são o Nissan Leaf, Renault Zoe, BMW i3, Tesla 3 e Tesla S.

Comentários ({{ total }})

OK! sextuplicou carteira de veículos elétricos em dois anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião