Liberty quer clientes fidelizados, satisfeitos é pouco

  • ECO Seguros
  • 23 Outubro 2019

Clientes satisfeitos versus clientes fidelizados foi o mote das do debate com a participação de especialistas, mediadores e parceiros da Companhia. Convidados externos partilharam experiências.

A Liberty Seguros repetiu a ‘Semana da Experiência do Cliente’ com sessões que decorreram em simultâneo a nível global, nos escritórios de Portugal (Lisboa e Porto), Espanha (Madrid, Barcelona e Bilbao), e Irlanda (Dublin e Cavan) com o objetivo de “colocar o cliente no centro das atividades”, refere a empresa.

Equipa da Liberty: Alexandre Ramos, Head de IT da WEM na Liberty Seguros, Frederico Santos, Responsável pelo departamento de Cliente da Carglass, Gustavo Madeira, Diretor de Inovação, Qualidade e Serviço ao Cliente da LeasePlan Portugal, Rui Santos, Diretor Geral da InPar, Tiago Torres, Project Manager da Médis e Hélder Sousa, Responsável pela Customer Experience da Liberty Seguros.

Os colaboradores tiveram uma experiência interativa, para poderem colocar-se no lugar do cliente e perceberem quais os desafios enfrentados. Ao mesmo tempo, a seguradora apostou em transmitir os comportamentos que – segundo a Liberty – melhor definem a área de customer experience da empresa: “a simplicidade, adequação, proatividade, experiência, empatia e respeito”.

Nesta segunda edição da “Semana da experiência do cliente”, foram promovidas mesas redondas ou “CX Talks”, com a intenção de promover a troca de boas práticas e entender a experiência do cliente a partir de um prisma menos comum, convidando pessoas que não pertencem à Liberty para partilhar as suas melhores práticas.

Em Portugal, foram convidados Gustavo Madeira, Diretor de Inovação, Qualidade e Serviço ao Cliente da LeasePlan Portugal, Frederico Santos, Responsável pelo departamento de Cliente da Carglass, Rui Santos, Diretor Geral da InPar e Tiago Torres, Project Manager – New Products & Segments da Médis.

Os representantes concluíram que a satisfação do cliente tem um impacto imediato no negócio, de forma positiva ou negativa, e sublinharam a “exigência atual sobre as empresas, porque clientes satisfeitos não são clientes fidelizados”.

Rui Santos, da InPar considera que “a magia acontece quando antecipamos as emoções. Um cliente satisfeito não é um cliente fã. Não é suficiente estarmos satisfeitos. Satisfeitos estamos todos até aparecer alguma coisa melhor e mudamos”.

“Os clientes precisam de ser surpreendidos constantemente para tornar a sua experiência memorável e as empresas tem de ser proativas”, conclui Frederico Santos, da Carglass.

Para a Liberty “esta iniciativa é para todos porque a experiência do cliente depende das ações e decisões que cada um de nós toma todos os dias”, conclui Anne Marie Collins, chefe da Liberty Insurance Experience em Espanha, Irlanda e Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Liberty quer clientes fidelizados, satisfeitos é pouco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião