APROSE condena “más práticas na distribuição de seguros”

  • ECO Seguros
  • 27 Outubro 2019

Associação dos corretores e mediadores demarca-se da "má prática" e reforça a importância de intermediários profissionais para evitar casos como o que foi mediatizado em reportagem televisiva.

A Aprose – Associação Nacional de Agentes e Corretores de Seguros, que representa os profissionais de distribuição de seguros independentes de seguradoras, emitiu um comunicado a respeito de “um caso de um seguro de Vida contratado junto de uma instituição de crédito, colocado na seguradora do mesmo grupo bancário, que não cobre uma doença mortal”.

A associação, liderada por David Pereira, refere-se a “notícias vindas a público, nomeadamente através do canal de televisão TVI e TVI24 emitido em no passado dia 22 de outubro, em que se retratou o caso de um seguro de Vida contratado junto de uma instituição de crédito” concluindo a Aprose que ”não pode deixar de se demarcar veementemente da forma, método e procedimentos tornados públicos em relação ao canal de distribuição de seguros que foi especificamente utilizado na venda, comercialização e contratação da apólice que quebrou as legitimas expectativas do casal tomador do seguro, conexionado com a concessão do crédito à habitação através do mesmo banco”.

O comunicado da Aprose afirma que este caso “reforça a importância do papel vital e absolutamente crucial desenvolvido e desempenhado pelos agentes e corretores de seguros, designadamente os em si filiados, na contratação de apólices de seguros, onde a informação, esclarecimento, consultoria, assessoria e aconselhamento sobre produtos disponibilizados por uma multiplicidade de seguradores constitui a essência da profissão”, conclui.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

APROSE condena “más práticas na distribuição de seguros”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião